Aviso!

Olá caro humano, seja bem-vindo ao nosso mundo sobrenatural! Se essa é sua primeira vez aqui, recomendo que comece a lê por nossa primeira história, “O Sequestro”, que pode ser facilmente encontrado se você abrir o botão da primeira geração, Detectives, que fica no menu acima. Caso você seja um de nossos fãs, tenha uma boa leitura e não esqueça de comentar, ou caso contrario, kraismos morderá todos vocês, isso se Castiel não lhe bater primeiro.

sábado, 12 de setembro de 2015

01 - O sequestro



Seu filho está em nosso poder. Se
Quiser o menino de volta, siga as
instruções: Ponha 500 mil libras numa
mala preta e deixe-a atrás da banca de
jornal da estação de trem às 3h50  e pegue o
trem das 04h. Se ficar alguém vigiando
a mala , o menino MORRE!











I




         Em um dia de verão de 1934, eu voltava da França, onde fui passar as férias.  Meus avós por motivos próprios estavam morando lá. Bem, mas isso não vem ao caso. Eu embarquei em alguns trens de volta para Londres, lembro-me perfeitamente que ao embarcar no último trem, eu passei a viagem totalmente distraído, olhando para uns cartões de beisebol,  os quais ganhei de meu avô.






II




Willian, o criado encarregado de ir me buscar na estação.  Ao chegar a casa, encontrou meu pai, Nortor P.C, desesperado com um bilhete em mãos. (Willian não entendeu o que estava acontecendo) Meu pai perguntou onde eu estava, nosso criado explicou que eu não apareci na estação de trem e cerca de duas horas mais tarde, ele voltou para casa com o pensamento de que eu viria outro dia.
         Meu pai se desesperou mais ainda e resolveu mostrar o bilhete ao nosso criado. Terminando de lê-lo, Willian sugeriu ligar para um investigado particular, meu pai ficou com medo, pois se os sequestradores descobrissem poderiam me matar. Minha mãe Giselle convenceu meu pai de  que isso  seria o melhor, e ordenou que Willian ligasse para um ex-investigador chamado Dorisglayson Tayllor.






III




         O detetive Tayllor estava em sua casa conversando com um rapaz francês de uns 17 a 19 anos de idade, seu nome era David Huhlvan.
Eles estavam falando sobre investigações e homicídios do passado, e foi no meio de umas dessas histórias que o telefone tocou e ambos ficaram a par de tudo.
         Mr. Tayllor e M. Huhlvan foram imediatamente para minha casa, ao chegar, interrogaram Willian que por sua vez disse que “eu iria desembarcar na estação de Londres às 17h e que ele ficou na estação até as 19h, e como não havia me encontrado regressou para casa’’.
         Os investigadores ficaram pensativos em relação à história de Willian com o bilhete, o detetive Dorisglayson sugeriu que eu havia sido raptado antes de chegar a Londres.  Mr. David achou estranho o fato da carta, ter chegado tão rápido na minha residência. No lar da família P.C.
         Então para tirar a história a limpo, eles foram até a estação de Londres à procura de pistas.






IV




         Ao chegarem à estação, eles perguntaram aos funcionários se  haviam visto um garoto loiro, de olhos azuis, com idade entre 12 a 13 anos, mas infelizmente todos responderam que não.
         Quando os investigadores resolveram voltar para a mansão, David Huhlvan olhou para o chão e recolheu um pedaço de papel com algo rabiscado, e colocou em seu bolso.





V



Ao chegarem à minha casa, eles interrogaram meus pais individualmente. Minha mãe entrou desesperada no escritório, pois ela sempre foi apegada a mim, o detetive Dorisglayson tentou deixá-la tranquila. Enquanto a David, perguntou o que ela achava do bilhete e do sequestro, isto é, se foi realmente um sequestro, ela respondeu que não havia entendido a pergunta. Mr. Huhlvan foi mais claro, perguntou se não havia possibilidade de eu, P.C. júnior, ter fugido, minha mãe respondeu em imediato, que em hipótese alguma, eu teria fugido e que este sequestro veio somente para acabar com a felicidade de nossa família. E disse que com certeza eu deveria estar desesperado e mais agora que eu estava tão feliz por ter ganhado os cartões de beisebol de meu avô. Minha mãe caiu em prantos e M. Tayllor tentou mais uma vez acalmá-la, ela se levantou e começou a andar em direção à porta, David a abriu e pediu que Willian preparasse um chá para Ms. Giselle.
Em seguida, meu pai entrou no escritório, M. Huhlvan lhe ofereceu uma cadeira, da qual ele aceitou.  Mr. Tayllor perguntou ao meu pai se eu já havia fugido de casa ou algo parecido. Ele respondeu que não, David perguntou se ele (o meu pai)  teria um outro endereço ou uma casa pequena em Londres. Meu pai respondeu que sim, que tinha uma pequena cabana fora da cidade  a cerca de uns trinta quilômetros em direção ao leste, então passou o endereço, e mais uma vez repetiu que eu não havia fugido que eu não era disso, Mr. Huhlvan tentou acalmá-lo, falando que foi apenas uma hipótese, meu pai levantou-se furioso e saiu do escritório batendo a porta.
David Huhlvan falou para M. Dorisglayson que iria sair, mas  o deixou encarregado de colocar  todos dentro do escritório e que todos permanecessem lá.







VI



O relógio marcava 2h da manhã quando um carro parou em frente à casa de meus pais, Mr. Huhlvan desceu do carro com alguém e passou diretamente para o escritório onde todos estavam reunidos, ao entrar David estava desacompanhado. E começou a falar  em bom tom que o mistério havia sido desvendado. Então, ele começou a relatar os fatos.
Mr. Huhlvan declarou que eu havia desembarcado em Londres e que eu realmente havia sido raptado na estação.
Mas quem haveria de ter feito isto? 
E qual era a prova que eu desembarquei?
Bem, para quem ainda não sabe, aqui está às dicas: O pedaço de papel que Mr. Huhlvan recolheu na estação nada mais era que um de meus cartões de beisebol, com uma dedicatória de meu avô para mim.

 E ai está à confirmação que eu realmente desembarquei. Tá, mas como é que o detetive sabe que eu não fugi, mas que eu realmente fui sequestrado? Pelo bilhete? Não! Pois eu mesmo poderia tê-lo forjado. Então como?
Aqui está a resposta, Mr. Huhlvan tem um amigo, que sempre diz que “conversando com alguém, esse alguém acaba falando demais”. E por mais incrível que pareça foi isso que aconteceu.
               Então o detetive falou com a voz mais firme do que nunca, que quem havia me raptado era ninguém mais, ninguém menos, que minha própria mãe Giselle!
Mas como? Vocês devem estar se perguntando.
Então eu coloco as cartas na mesa, quem mais sabia que eu tinha ganhado os cartões de beisebol, a não ser eu, meus avós e quem me sequestrou? Giselle falou que eu deveria estar muito feliz, principalmente agora que eu tinha ganhado os cartões de meu avô,
Mrs. Potter C. começou a rir e falou que David estava de parabéns e declarou que eu não passava de um bastardo inútil e que me mataria com alguém vigiando a mala ou não.
Dorisglayson declarou ordem de prisão a ela. Meu pai se desesperou e perguntou onde eu estava. Ela respondeu que ele nunca iria me encontrar. David disse que isto não era verdade, se virou para a porta e quando ele a abriu, lá estava eu, P.C. Júnior, são e salvo.
Mas como?
Giselle havia me dopado com éter, e me levado para a velha cabana de meu pai e ao retornar para casa, entregou pessoalmente o bilhete a ele alegando que estava na caixa do correio,
Bem, mas tudo acabou se resolvendo, Giselle foi presa e cometeu suicídio dois meses depois.
Ah é, e Willian, como ele não me viu desembarcar do trem. Isso ele só iria falar se alguém apontasse um revólver para sua cabeça. Mas isso para mim é algum muito simples, Willian realmente estava na estação de trem, mas do outro lado, tendo uma consulta com Vera Sttel, uma vendedora de jornal que era vidente nas horas vagas.





J. Aeff

33 comentários:

  1. Caramba!
    Uma palma e meia pra você.kkk

    ResponderExcluir
  2. Poxa vida quem diria que seria própria Giselle que teria questrado ele... Caramba suspeitei de tds , até do motorista, menos dela....

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Bixa safada.... Eita povo inteligente... Ave nan, cm ela pôde fzr isso cm próprio filho? E ainda fez td uma sena de desespero... Ah vadia... Kkkkkk

      Excluir
    2. As pessoas usam máscaras e é trabalho de David derruba-las

      Excluir
  4. Cara que caso em... boa jogada têm que ser muito bom pra descobrir antes de ser desvendado que Giselle sequestraria o próprio filho, David é um gênio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho q a questão é apenas preta atenção nas entre linhas kkkk

      Excluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Respostas
    1. creio q ninguem esperava por essa kkkkk

      Excluir
  7. Respostas
    1. fico muito feliz que tenha gostado rsrs :3

      Excluir
  8. Gostei muito! E olha que não sou muito de ler rsrs..😂❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nassa, fico feliz então rsrs, #FormandoNovosLeitores

      Excluir
  9. Poxa,parabéns👏👏eu não esperava que tivesse sido a própria mãe que tivesse sequestrado o garoto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrs, acho q ninguém esperava por isso rs

      Excluir
  10. Passado foi a mae que sequestrou o garoto parabéns voce tem muita criatividade 👏

    ResponderExcluir
  11. Tá sem ter uma imaginação boa. Tu arrasa! Muito bom ein.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk, muito obrigado, fico feliz q tenha gostado rs

      Excluir
  12. Nossa muito boa essa história
    Parabéns cara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, fico feliz q tenha gostado rs

      Excluir
  13. Respostas
    1. fico feliz que tenha gostado, continue lendo e si divertindo.

      Excluir
  14. Como eu posso explicar? Eu nunca li algo assim, tão fascinante, brilhante, perfeito e incrível. Eu não sirvo pra ser detetive mesmo, não passou pela minha cabeça que tinha sido a própria mãe. ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk todos pomos, só é preciso alimentar a própria mente.

      fico feliz q tenha gostado rs

      Excluir