Aviso!

Olá caro humano, seja bem-vindo ao nosso mundo sobrenatural! Se essa é sua primeira vez aqui, recomendo que comece a lê por nossa primeira história, “O Sequestro”, que pode ser facilmente encontrado se você abrir o botão da primeira geração, Detectives, que fica no menu acima. Caso você seja um de nossos fãs, tenha uma boa leitura e não esqueça de comentar, ou caso contrario, kraismos morderá todos vocês, isso se Castiel não lhe bater primeiro.

sábado, 6 de fevereiro de 2016

09 - Swan

 

I

          -Bom dia. –Disse uma jovem entrando na sala da rainha. –Quem diria que um dia você iria precisar de meus serviços. –Disse ela.
        -Rainha Elizabeth. –Falou um oficial real. –A senhora sabe quem é ela, não posso acreditar que a senhora irá pedir a sua ajuda...
            A rainha ergueu sua mão para que aquele homem parasse de falar.
            -Então Liza, o que me traz aqui? –Perguntou ela.
            -Preciso de sua ajuda senhorita Swan.

            -Claro que precisa, isso é obvio, caso contrário não estaria aqui sem antes ter matado alguns soldados.
            Elizabeth respirou fundo perante a pertinência da jovem e disse.
            -Um garoto que estava sobre os meus cuidados, foi sequestrado há dois dias e quero que você encontre quem fez isso, então me diga qual o seu preço.
            -Primeiro me diga o que o garoto representa para você, aí eu te digo o que eu quero.
            Elizabeth levantou-se e começou a caminhar por sua sala.
            -Ele era o filho de uma amiga minha, ela morreu em um acidente há algum tempo, e ele é tudo o que me restou dela, por isso pedi que a chamasse, sei que você é a melhor e não me importa  o seu preço, estou disposta a pagar.
             A garota a encarou antes de respondê-la.
            -Entendo e aceito o caso.
            -E o preço? Quanto você quer?
            -Acho que o quanto não é a questão e sim o quê? Eu quero apenas que você fique me devendo um favor, apenas isso.
            -Ótimo então.
            -Majestade. –Falou o oficial. –A senhora não pode aceitar, ela é membra da Cúpula, é perigoso demais, a senhora não sabe o que de fato ela vai querer.
            -Não se intrometa. –Disse a rainha o fuzilando com os olhos. –Eu darei o reino se for preciso, eu prometi que cuidaria do garoto e é isso que irei fazer.
            Swan deu um leve sorriso ao ouvir o que a rainha havia acabado de falar.
            -Trato fechado então? –Perguntou a garota.
            -Sim, você tem a minha palavra. –Respondeu a rainha regente.
            -Ótimo. –Disse a garota se retirando, mas antes que pudesse cruzar a porta ela se virou e disse. –Majestade, espero que quando eu lhe cobrar o favor você não o recuse, seria uma pena arrancar sua cabeça fora. –Finalizou ela com um sorriso no rosto batendo a porta em seguida.
            -Majestade, a senhora sabe as consequências de vossos atos?
            -Sim, claro que sim, mas foi necessário.



II

            Natallie Swan é uma bela jovem de altura razoável, cabelos longos e ondulados de uma coloração castanha, seus olhos eram verdes com certo tom dourado e sua pele clara. Ela estava antando até o quarto onde ficava o garoto sequestrado encontrando uma das copeiras reais.
            -Senhorita. –Falou ela.
            -Prazer, meu nome é Natallie e fui encarregada do caso pela rainha, a senhora poderia abrir a porta por gentileza.
            A velha senhora abriu a porta e entrou no quarto seguindo a jovem.
            -Não sei o que você vai procurar, mas esse quarto já foi revirado várias vezes pela polícia à procura de pistas...
            -Qual era mesmo o nome do garoto? –Perguntou a jovem a interrompendo.
            -Miguel. –Respondeu a criada. –Creio que aqui tenha uma foto dele. –Falou ela abrindo uma das gavetas do criado mudo que estava perto da cama e entregando a senhorita Swan.
             Miguel aparentava ter uns quatorze anos de idade, tinha uma pele clara e cabelos escuros, seus olhos eram negros dando certa valorização a sua pele, ao olhar a foto, Natallie a entregou de volta a velha senhora e pediu para que ela a deixa-se sozinha no quarto.
            Swan começou a vasculha o quarto do garoto a procura de qualquer coisa deixada para traz, e após certo tempo revirando o quarto ela encontrou um pequeno bilhete e depois de lê-lo ela o enfiou no bolço e saiu do quarto dando de cara com um rapaz, alto, e belo, de olhos escuros e cabelos castanhos, ele usava óculos e usava um uniforme escolar.
            -Senhorita? –Perguntou ele.
            -Porra, ninguém sabe meu nome nessa bagaça?
            O jovem começou a rir diante da falta de educação da moça.
            -Acho que começamos errados. –Disse ele. –Prazer, meu nome é Filip, e a senhorita?
            -Natallie, Natallie Swan. –Disse ela forçando um sorriso ignorando o comprimento que o jovem fez com a mão.
            -Você precisa de ajuda?- Perguntou ele sem jeito.
            -Talvez, eu sou a responsável por encontrar o jovem Miguel, conhece?
            -Você é a responsável? –Disse ele confuso. –Bom, ele é meu irmão, acho que o conheço.
            -Ótimo. Isso facilita meu trabalho. Vamos. –Disse ela segurando seu braço e o puxando para o quarto do garoto desaparecido o empurrando sobre a cama. –Fale-me sobre o garoto, sobre o caráter de seu irmão. –Disse ela por fim cruzando os braços e encarando o garoto.
            -Bom... –Disse Filip tentando formular seus pensamentos. –Ele sempre foi uma criança um tanto que conturbada, sempre se metia em problemas, creio que ele sempre estava encrencado para chamar a atenção de nossa mãe, de certa forma ele também se achava muito carente.
            -Por quê?
            -Bem, porque nosso pai morreu pouco tempo depois que ele nasceu. Mamãe sempre estava trabalhando e eu sempre fiquei com a cara enfiada em algum livro, creio que ele de certa forma se sentia sozinho.
            -Ele não tenha nenhum amigo?
            -Alguns colegas de escola, mas não é a mesma coisa de não ter um pai ou uma mãe presente em sua vida.
            -Você culpa seus pais pela malcriação de seu irmão? –Perguntou a jovem oficial.
            -De certa forma sim, mas também me culpo, pois também nunca dei muita bola pra ele.
            Natallie passou um bom tempo encarando o jovem, fazendo-lhe de certa forma corar.
            -Você é bem bonito disse ela por fim. –Suas palavras atingiram um garoto com uma intensidade que sua pele clara mais parecia um pimentão.
            Natallie riu da cara do garoto e disse.
            -Relaxa, eu não vou te estuprar ou coisa do tipo, ainda. –Falou a última palavra em um tom de sussurro. –mas antes disso vou querer sua ajuda no caso.
            -M-mas c-como v-você sabe que não f-fui eu que fiz tais coisas. –Falou Filip gaguejando ainda vermelho pelo o que a jovem Swan havia acabado de falar.
            -Seu tom de voz ao se culpar pela a formação do mau caráter de seu irmão e pela sua reação quando mencionei que você é gato, você não é o tipo de pessoa que sequestraria alguém, você é tímido e inocente, provavelmente ainda é vigem, a única explicação para tal ato, seria se você tivesse uma dupla personalidade, coisa que aposto que você não tem. –Ela olhou para o relógio e disse. –Já está um pouco tarde, você já deveria está na escola, mas como eu disse que você vai me ajudar no caso, que tal irmos tomar café em uma cafeteria, eu deixo você pagar. –Finalizou ela com um sorriso e segurando na mão do garoto o fazendo segui-la.




III

            -E então, qual a relação de sua família com a rainha, pois pelo que percebi, ela gosta muito de você e de seu irmão, afinal de contas ela contratou a mim, e eu acho se o filho ou o neto dela estivesse no lugar de seu irmão, ela acionaria a polícia britânica e não a mim. –Disse a garota tomando um gole de seu café.
            -Bom, a rainha devia um favor a minha mãe, não sei exatamente o porquê, ela nunca tocou no assunto comigo.
            -Compreendo. –Falou a jovem. –Qual foi mesmo a única pessoa que viu seu irmão no quarto.
            -Até onde eu saiba, fui eu. –Respondeu ele.
            “Esse caso está complicado e chato.” Pensou Miss Swan.
            -E você? –Falou Filip.
            -Eu o quê?
            -Fale-me sobre você.
            -Não!
            -Por quê?
            -Três motivos, primeiro isso não vem ao caso, segundo isso não é um encontro e terceiro, não é de sua conta.
            -Bom. –Disse o garoto em sua defesa. –Pelo o que percebi seria mais fácil lhe dá com toda a frota de soldados britânicos do que com você, eu soube, e quando eu digo soube, eu ouvi Nicolas, conversando um pouco alto sobre seu preço, e pelo que percebi não seria em dinheiro. Por quê?
            -Eu aprendi desde cedo que tudo na vida vem seguido de um preço e que cada ação gera uma reação, meu preço é apenas equivalente ao pedido que Elizabeth me fez.
            -E por que eles têm tanto medo de você?
            -Creio que isso não lhe diz respeito. –Falou de modo ríspido. –Mas se você realmente quer saber, eu não cresci em um lar feliz, na verdade fui jogada em uma lixeira assim que nasci, fui criada por um e por outro, vivia praticamente de favores, nenhuma família passava mais de um mês comigo, quando me dei por conta eu havia fugido de um orfanato e estava vivendo nas ruas, passando forme e frio, sendo desprezada por todos, inclusive pelo governo que estava pouco se lixando para mim ou para qualquer outro desabrigado, mas eu não me importava, sempre conseguia o que comer e onde dormir, mas isso tinha um preço, sempre tinha, e quando eu cresci mais um pouco, o preço por migalhas de pão e um cobertor passou a ser meu corpo, como você pode ver, eu sou bem mais que linda, sou perfeita, e não demorou muito para que eu fosse desejada por homens e mulheres, e então meu corpo passou a ser o preço por minha sobrevivência. Agora a única coisa que quero é acabar com toda essa palhaçada, que vocês chamam de democracia e sociedade e talvez seja por isso que as pessoas me temem. Por que eu irei mostrar ao mundo o verdadeiro preço por uma vida. –Finalizou ela com um sorriso.
            Filip não sabia o que dizer, ele estava simplesmente chocado, seus olhos estavam úmidos, para ele era simplesmente impossível imaginar que aquela jovem bela e autoritária havia passado por tudo isso.
            O telefone celular da garota começou a tocar e logo após ter atendido ela olhou para seu parceiro e disse.
            -E do palácio, encontraram seu irmão, temos que ir. –Ela disse com um semblante sério.




IV

            O corpo jazia em uma das salas do palácio, o garoto havia sido asfixiado cruelmente, suas órbitas estavam brancas e sua pele pálida, a expressão em seu rosto era de medo, medo pelo que estava acontecendo ou talvez por ter presenciado o anjo da morte.
            Natallie analisou perfeitamente cada detalhe daquele corpo e após  certo tempo ela disse encarando Elizabeth.
            -Quero uma lista de todos que estavam no palácio no dia em que ele desapareceu, e outra lista de quem esta no palácio há cerca de uma hora.
            Não demorou muito e Natallie, Filip e a Rainha Elizabeth estavam dentro de um salão acompanhados de algumas outras pessoas.
            -Aqui está a lista que você pediu. –Disse Filip entregando as folhas a sua parceira.
            -E provavelmente os aqui presentes são as pessoas aqui mencionadas, certo?
            Ele acenou com a cabeça.
            Natallie leu lentamente as folhas e em uma terceira colocou os alguns nomes e os leu em voz alta.
            -Elizabeth, Margarida, Nicolas, John, Fel, Benjamim, Mary, Marie, Lucy e Tomas. –Ela encarou a rainha e voltou a falar. –Uma dessas pessoas provavelmente foi ou foram os responsáveis pelo sequestro e morte do jovem Miguel. –Ela deu um leve sorriso e voltou a falar. –Eu quero anunciar a vocês que eu já sei quem foi, a única coisa que falta é saber o porquê, então preparem-se, senhoras e senhores, eu irei interrogar cada um de vocês, e antes que me esqueça, Liza, gostaria de lhe pedir mais uma coisa, eu gostaria de julgar e condenar a pessoa que está por trás desses atos, se você não se importar, é claro.
            Rainha Elizabeth apenas fez um sinal com a cabeça aprovando o pedido da garota.
            -Ótimo, Filip, venha comigo, temos muito que fazer. Falou ela saindo do salão sendo seguida pelo garoto.
            -O que foi aquilo lá dentro? –Perguntou o jovem. –Você não sabe quem é o assassino, pois caso contrario teria evitado a morte dele.
            -Eu sei, você também sabe, mas a questão meu querido é que eles não. –Ela parou para encará-lo. –E nesse exato momento o “responsável” está morrendo psicologicamente e o pior que Liza entendeu minha verde, fazendo assim que o quem fez essas coisas fique ainda mais desesperado.
            -Acho que estou entendendo, mas por que o fato de você julgar o responsável piorou tudo?
            -Você é jovem demais para saber.
            -Tenho sua idade...
            -Mas não minha experiência, agora vamos, temos que planeja uma armadilha. Essa espelunca que vocês chamam de palácio tem câmeras de seguranças, não tem?


V

            -Como imaginei, os vídeos de segurança estão estragados. –Falou a jovem Swan.
            -E agora, o que pretendes fazer? –Perguntou o lindo rapaz de olhos negros.
            -Agora teremos que ir ao plano B, a moda antiga, mas antes de interrogá-los gostaria que você me falasse um pouco sobre cada um citado por mim.
            -Bom. –começou o garoto. – Elizabeth todo mundo já a conhece, ela é a rainha da Inglaterra, é uma boa pessoa, meiga e educada, não tenho o que falar mal dela, quando minha mãe morreu ela cuidou muito bem de meu irmão e de mim e acho que é isso. Margarida é uma das copeiras da casa, creio que você já a conhece, foi a que lhe deixou no quarto de Miguel, ela é simpática, mas não é de falar muito e é um pouco desconfiada. Nicolas é o braço direito da rainha, você também deve conhecê-lo, ele deveria está da sala da rainha quando você chegou, nunca falei muito com ele, portanto não sei o que dizer sobre, John é o motorista real, particularmente ele é muito agradável sendo assim uma boa pessoa, ótima eu diria, Fel é um dos cozinheiros, ele sempre está no palácio mesmo nos dias de folga, aparentemente ele não tem família e não tem quem visitar, por isso sempre está aqui, ele é legal para quem não o conhece e como Margarida não é de falar muito. Benjamim é quem cuida da biblioteca e dos documentos reais, ele sempre está organizando alguma coisa ,como eventos, seminários, e bailes, eu acho que ele faz mais do que deveria e provavelmente não recebe a mais por isso, ele é bem simpático e meigo, é um de meus favoritos aqui, e antes que me esqueça ele não chegou a falar muito com meu irmão, apesar de contas ele sempre odiou livros e coisas relacionadas á leitura. Mary não sei bem o que ela faz, ela é tipo uma agente sei lá, e está sempre ocupada, nunca parou para falar comigo ou com alguém da casa, não sei o que falar sobre ela. Marie não é daqui, ela está apenas trabalhando para uma revista se não me engano e, portanto está passando uns dias aqui. Lucy e Thomas trabalham com a segurança, Thomas é o cara que nos deixou ver os vídeos da segurança, nunca falei diretamente com nenhum dos dois.
            -Ótimo. –Disse a garota se jogando no sofá.
            -E agora? –Perguntou Filip.
            -E agora? –Falou Swan sem entender. –Pensei que fosse óbvio para você, e agora nada, eu ameacei o assassino então o óbvio é que ele virá atrás de mim, a única coisa a fazer é absolutamente nada, só descansar e aproveitar o resto do dia. Falando nisso, você não se abalou quando viu seu irmão morto.
            -Chorar não iria trazê-lo de volta. –Falou ele por fim.
            -Tem razão. –Falou ela ficando em silêncio em seguida.
            A noite não demorou muito para chegar e antes que alguém pudesse perceber Natallie já estava acomodada em um dos quartos do palácio, sentindo-se em casa, como se tivesse uma.
            -Boa noite mundo. –Disse ela fechando os olhos e cobrindo-se com um lençol branco, ela estava vestida com um pijama claro feito de seda que ela provavelmente roubou do quarto da nora da rainha, mas enfim.
            Na calada da noite, quando os vivos repousam, a porta do quarto se abriu o vulto segurava uma seringa em uma de suas mãos, a sombra aproximou-se da cama e com a mão livre puxou o cobertor que cobria o jovem Filip e ao erguer a mão com a seringa um fio de navalha foi colocado em seu pescoço.
            -Mais um movimento, e eu te mato. NI-CO-LAS. –Falou Natalie segurando uma adaga feita de prata.
            A porta do quarto se abriu e alguns homens vestidos de uniforme preto entraram no quarto sendo seguidos por alguns guardas reais.
            Filip saltou da cama e disse colocando os óculos.
            -O que significa isso?
            -Como eu havia pensado o assassino viria atrás de você.
            -N-não, v-você disse que ele iria atrás de você. –Falou o jovem gaguejando.
            -Bom, esse seria o óbvio a se pensar, mas como Nicolas previa, eu estaria com meus guardas aguardando por ele, então seria o momento perfeito para que ele lhe matasse, nada pessoal, mas como ele sabia que eu o pegaria, ao menos me daria um dano, uma perda, e como eu estava junto a você, você meu caro seria o ideal para ele.
            Elizabeth entrou no quarto sendo seguida por mais soldados.
            -Liza querida. –Falou Natallie sem nenhum pudor. –Ai está o responsável pelo ato de sequestro e assassinato.
            -Mas por que, como?
            -Veja só minha querida. –Começou a jovem oficial. –Primeiro, Nicolas praticamente surtou quando me viu entrar em sua sala ontem de manhã. –Falou ela ontem olhando o relógio conferindo ser mais de meia noite. – segundo quando eu vi esse bilhete debaixo do travesseiro do jovem Miguel tive a confirmação de que teria sido ele o responsável pelo sequestro. –Falou ela exibindo o bilhete e apontando para o oficial Nicolas. –Esse bilhete é a carta que a senhora Benson escreveu para sua amiga a Rainha, em seu leito de morte, pedindo que ela cuidasse de seus filhos, no bilhete diz que ela amava seu filho Filip, e que o mesmo seria útil para a mesma, já seu outro filho, bom seria um problema, mas isso não vem ao caso, aquele quarto já havia sido revirado várias vezes de acordo com Margarida, porém nada havia sido encontrado, dai eu simplesmente encontro uma carta desse nível do nada, no local mais óbvio que alguém poderia esconder, me poupe Nicolas, você achava que eu seria tola o suficiente para cair nessa. A ideia original do nosso amiguinho aqui seria de fato um sequestro, assim ele poderia obter uma grana preta de sua patroa em um resgate, mas seus planos foram frustrados quando ele me viu entrar na sala de Liza, e por medo de ser descoberto ele colocou a carta debaixo do travesseiro do garoto no intuito que eu achasse que ele havia fugido do palácio após ter lido a carta, e sinceramente cara isso é brincadeira de criança. –Disse ela novamente encarando o velho oficial. –Mas enfim, deduzir automaticamente que a única pessoa que teria livre arbítrio para andar no palácio e mexer nas coisas da rainha, e é claro que seria o nosso amiguinho aqui, mas eu ainda precisava de provas, então joguei a verde quando todos estavam no salão, e claro que o idiota aqui caiu nela, daí tive o prazer de sair de mãos dadas com o jovem Filip, o fazendo pensar que eu estaria tendo algo com ele, caindo assim na minha telha. Ver os vídeos de segurança estragados apenas confirmaram mais ainda minhas suspeitas, e o depoimento de Filip sobre o caráter de cada um que estava no palácio todos os dias, fez apenas que eu descartasse a hipótese de que houvesse um cúmplice, pois entre os aqui presentes, apenas Nicolas era o braço direito da rainha, tendo assim total acesso ao palácio.
            -Espera. –Interrompeu Filip. –Você de fato sabia desde o começo quem era, mais, mais mesmo assim deixou meu irmão morrer?
            -Desculpe-me meu caro, mas todos aqui sabem que seu irmão era problemático, e eu não acredito que alguém possa mudar, eu apenas fiz um favor a sociedade deixando um futuro marginal morrer. –Falou Natallie sem sentimentos.
            Com lágrimas nos olhos o Jovem Benson saiu correndo de seu quarto, sem suportar mais olha para a senhorita Swan.
            -Onde eu estava. –Voltou a falar como se nada houvesse acontecido. –A é, rapazes, podem levá-lo, torturem-no e quando o corpo dele não sentir mais dor, mate-o e o enterre como um indigente. –Falou ela sorrindo, e os homens de uniforme preto saíram arrastando Nicolas aos gritos, para fora do prédio.
            -Se me dá licença Liza, tenho que ir, mas não se esqueça que você me deve um favor. –Falou ela retirando-se.
            Natallie encontrou-se com Filip no em um dos pátios daquele lugar.
            -Bela atuação a sua, por um estante até acreditei que você se importava com seu irmão. -Falou a garota se aproximando.
            -Precisava me fazer de inocente, não queria que a rainha pensasse que eu não tenho coração. –Falou Filip encarando Swan.
            -Entendo, mas agora tenho que ir. –Falou ela por fim.
            Após um certo tempo o garoto se aproximou dela, dando-lhe um beijo.
            -Me leva com você. –Falou ele.
            -Não posso estragar sua vida permitindo que faça parte da minha.
            -Então fica e faça parte de minha vida, você já sofreu muito para uma simples garota.
            -Não posso ficar, o que eu disse no quarto foi a verdade, eu não acredito que as pessoas posam mudar, inclusive a mim, minha vida já está estragada demais e não tem mais conserto e vai por mim, você merece bem mais.
            Filip a baixou a cabeça e respirou fundo.
            -Espero que um dia você encontre a felicidade, mesmo que seja com outro alguém, alguém que lhe complete e que entenda seu mundo e sua vida...
            -Sabe. –Disse Natallie o interrompendo. –Eu só me apaixonei uma única vez, e tudo poderia ter dado certo para mim se essa minha paixão estivesse dado certo.
            -E por que não deu?
            -Dois motivos. –Falou ela encarando a lua. –Primeiro ele é gay, segundo se eu ficasse com ele eu morreria. –Finalizou ela olhando para o garoto dando um sorriso tentando não chorar.
            -Não entendi. –Disse Filip com cautela.
            -Talvez seja melhor assim, agora tenho que ir. –Falou ela se virando para que o garoto não visse a lágrima que insistia em rolar sobre seu rosto.



J. Aeff

21 comentários:

  1. Adoreiii a historia, muito boa mesmo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado, estou dando tudo de mim, fico feliz por estarem gostando rsrsrs

      Excluir
  2. Rapariga deixou o coitadinho.Quenga😠✊

    ResponderExcluir
  3. Gostei dela ter ido embora!!! ;) pq depois eu acho, n sei se vai ser assim, que ela voltará, por algum motivo mais voltará!!!

    ResponderExcluir
  4. Foi uma ótima história... Será que Natallie se reencontrarar cm filip?
    QM sabe...
    Só sei que vou continuar lendo pra saber o que vai acontecer...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse, muitas coisas podem acontecer kkkk

      Excluir
    2. Tomara que SS.... Ele é lindo!!! 😊

      Excluir
  5. Povo sem coração kkkk
    Muito boa a história, eles deviam ficar juntos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o futuro somente o escritor saberá kkkk

      Excluir
  6. Uauu!se ela não quer ficar com ele eu fico kkkkk boa história, mas ainda prefiro David ele é um ótimo detetive,ela nem se compara kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não deixe bianca ver isso kkkkkkk, David realmente é o melhor entre os melhores

      Excluir
  7. Muito bom,ela é muito doidona e coitado de Filip kkkkkk👏👏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk o bom filho sempre a casa retornar. Senti sua falta Thamara kkkk

      fico feliz q tenha gostado do inicio dessa geração.

      Excluir
  8. Gostei muito da historia mas o que mais mi chamou atenção,foi que as aparências enganam,mesmo Swan com sua beleza ninguém imaginava o que ela ja passou e por ela ser tão fria por causa que ela não pode ter um amor correspondido pela pessoa que ela e apaixonada deve ser muito triste

    ResponderExcluir
  9. Owntttt, meu caro leito, seu comentário me chamou atenção, você foi o único q comentou sobre a dor q Swan sentia, continue lendo e se surpreendendo e claro, me surpreendendo.

    Um abraço de seu eterno e amado J. Aeff

    ResponderExcluir