Aviso!

Olá caro humano, seja bem-vindo ao nosso mundo sobrenatural! Se essa é sua primeira vez aqui, recomendo que comece a lê por nossa primeira história, “O Sequestro”, que pode ser facilmente encontrado se você abrir o botão da primeira geração, Detectives, que fica no menu acima. Caso você seja um de nossos fãs, tenha uma boa leitura e não esqueça de comentar, ou caso contrario, kraismos morderá todos vocês, isso se Castiel não lhe bater primeiro.

sábado, 15 de outubro de 2016

40 - Os dois andarilhos





I
Há muito tempo, em uma hera já esquecida, vivia um homem cuja sua história nunca é contada como deveria ser. Após vender sua alma ao diabo ele conheceu seu amor verdadeiro, e não teve outra escolha a não ser quebrar seu contrato, desencadeando assim a fúria do senhor do inferno, mas para protegê-lo e a sua família, entidades divinas foram ao seu encontro e assim nasceu uma da maiores ordens do mundo.

Uma hierarquia surgiu, dividindo os nãos humanos dos humanos. Um véu foi erguido e apenas os pertencentes da família daquele homem poderiam viver em álbuns os mundos.
Eu desconhecia essa história até semanas atrás, quando fui sequestrado por um garoto com poderes sobre naturais que se denominava Inveja, mesmo sem compreender nada sobre esse mundo fui denominado de avareza,  fui resgatado por uma espécie de força tarefa, e hoje treino meus poderes com a garota que fui apaixonado por toda minha infância, e ela se denomina Ira.
-Eu deveria lhe agradecer por você está morando em minha casa, estou chegando pontualmente na escola. –Disse Alan.
-É deveria sim. –Respondeu Angel começando a rir. –Principalmente agora que além dos trabalhos você tem os treinos com a Castiel, e sinceramente cara. Não sei o que você viu nela, aquela garota é dura na queda.
O outro começou a ficar vermelho, ele jogou o braço sobre o obro de seu amigo e disse o puxando.
-Se você contar algo a ela ou a qualquer outra pessoa sobre o que sinto, eu esqueço que você é meu melhor amigo e vou usá-lo como cobaia para vê até onde meus poderes vão com um humano.
Angel o empurrou e disse.
-Com um humano? Você mal começou a aprender magia, alias, você nem sabia que tudo isso era real e agora está falando com um deles, quem você acha que é para está me chamando de humano?
Ambos começaram a rir e se abraçaram ao entrar dentro do prédio da escola.
-Você poderiam deixar para namorar em casa, estão me dando nojo. –Disse Castiel se aproximando com Shin e Ruan.
-Até parece que você não queria está no lugar del... –Shin foi interrompido pelo livro de física da garota que foi com tudo em seu rosto.
Ruan revirou os olhos e disse indo em direção aos ouros dois garotos.
-É nessa hora que nos separamos, vamos, ou chegaremos atrasados.
-An-nyeong! (Tchau em coreano.) –Disse Shin com o rosto vermelho.
-Aproposito Alan. –Disse Ruan após se afastar dos demais. –Eu estava conversando com Castiel e decidimos mudar sua estratégia de aprendizado, o jeito tradicional de conjuração não vem surtindo muito efeito, então achei que sua magia force semelhante à de Shin.
-Você acha que eu sou um gênio?
-Bom! Não! Eu apenas pensei que trabalhar as formas marciais fosse ser melhor, já que você gosta de esportes.
-Espera. –Disse Angel. –Vocês estão pensando em fundir magia com antes maciais? Cara isso é no mínimo insano. E é demais.
-Isso é possível? –Questionou Alan.
-A vários estilos milenares dessa junção pela história, talvez alguma der certo com você.
-Espera, eu vou ficar igual ao Naruto, onde o Sasuke cospe fogo da mão?
Os outros dois pararam e o encaram.
-Tão tá né. –Falaram em uni som.
-O quê? O que disse e errado, achei que force possível e...
Eles pararam ao abrir a porta da sala e se depararem com um garoto novo sentando lá.
-O que você está fazendo aqui? –Perguntou Alan.
-O mesmo que vocês. –Disse o garoto. –Vir estudar.
-Vocês o conhece? –Perguntou Angel.
-Ele foi o cara que me sequestrou. –Respondeu Alan.
-O quê? –Disse o de cabelos coloridos, que aparentemente havia mais algumas cores adicionadas.



II
-Então, no final das contas, voltamos para essa cidade. –Disse um garoto que aparentava ser maior de idade.
-Dizem que o bom filho sempre a casa retorna. –Respondeu uma garota de sobretudo rosa.
-Você consegui sentir Vaidade, com certeza todos os magos de cristal restantes estão aqui.
-Para ser sincero Luxuria, a única coisa que consigo sentir é a presença de vários shopping. Cansei de andar feito um andarilho, vou cai de cara em um spar. –Disse a garota começando a andar.
-Vaidade espere...
Antes que o outro pudesse alertá-la, o cenário mudou, eles não estavam mais na entrada da cidade, mas em um parque secado de arvores, diante de uma garota vestida de casaco laranja.
-Vocês deveriam ao menos tentar esconder a presença de vocês ao entrar em minha cidade. –Disse a garota.
-E você, quem é? –Perguntou o rapaz. –Suponho que seja muito poderosa a pondo de invocar dois magos que nem sabes o nome, ou acabou gastando toda a sua energia e essa sua pose de poderosa não passa de uma encenação teatral.
A garota de laranja sorriu e disse.
-Eu sou a Gula, e minha forme é de poder, então sim, eu tenho muito.
O garoto sorriu em resposta e disse.
-Vaidade, você poderia cuidar dessa vadia?
A garota deu um passo a frente e disse.
-Claro. –A garota de rosa, possuía uma beleza única, sua pele era clara, seus olhos azuis cristais e seu cabelo castanho claro, mas esses aspectos não era os únicos que chamavam atenção, sua altura, sua pele, seus lábios e nariz, eram perfeitos, seu jeito de se vestir apesar de ousado lhe caia muito bem. –Pronta pra morrer? –Ao dizer isso os olhos da garota que até então eram azuis adquiriram uma coloração lilás.
-Vaidade. –Disse Luxuria. –Pegue leve com ela, precisamos dela viva se quisermos encontrar o cristal branco.
-O que vocês sabem sobre esse cristal? –Perguntou Gula.
-Não interessa o que sabemos ou não, quando Vanelly acabar com você, não farar muita diferença.
A garota de rosa avançou em cima da de laranja, que pó sua vez sacou duas adagas, ficando em uma pose de assassino.
Vanelly possuía garras em vez de unhas, e mesmo as adagas de Gula sendo afiadas, não seriam capazes de deter tais garras, e vendo isso, ela saltou para cima dando um mortal no ar, Vaidade acabou passando direto e vendo essa abertura Gula lançou uma de suas armas nas costas da garota.
Semelhante a uma bola de futebol indo de encontro a parede, o mesmo aconteceu com aquela adaga, que ricocheteou ao tocar no sobretudo da outra.
Vaidade caiu na risada e disse.
-As roupas que uso servem bem mais além de um assessório de moda, eu fundir minha magia a essas roupas, e elas se tonaram meu escudo. –Ela começou a andar em direção a outra. –Parece que o que Luxuria falou era verdade, você gastou toda sua energia nos trazendo até aqui...
Gula a interrompeu com uma leve risada e disse em seguida.
-Você não deveria me subestimar patricinha. –Ela ergueu a outra lamina restante e a lançou sobre a outra garota.
A adaga se dividiu o ar, formando dezenas delas, todas indo em direção a jovem de rosa.
Vanelly apenas sorriu de leve e todas as adagas pararam no ar, e com o vento todas se desfizeram restando apenas uma que ela a teve em suas mãos.
-Serio? –Disse vaidade. –Isso é brincadeira de criança.
-Vaidade não se distraia. –Disse Luxuria.
A garota olhou para a outra de laranja e viu ambas as mãos dela sangrar, mas antes que Gula pudesse fazer algo, ela sentiu uma enorme dor em seu peito que fez seu corpo paralisar, então uma corrente invisível surgiu diante todos, uma corrente que vinha do coração da garota e ia até a mão de Luxuria.
-Achei que você deixaria eu brincar com ela sozinha. –Disse Vanelly decepcionada.
Da mesma forma que a corrente apareceu ela desapareceu, fazendo a garota vestida de laranja cair de joelhos.
-Não sabemos quais os poderes dela, para arriscar deixa-la fazer uma invocação.
-Você está insinuando que eu não dava de conta dessa horrorosa que aja que laranja lhe cai bem?
-Não foi isso que eu quis dizer princesa, agora faça a gentileza e termine o que começou.
Vaidade semicerrou os olhos para o garoto e foi em direção a outra que estava de joelhos, segurando firme o rosto dela e ao aproximar sua boca da dela, ela a abriu, começando a sugar o que parecia ser uma nebrina lilás que saia da boa de Gula.
A medida que Vanelly absolvia tal nevoa, sua pele ficava ainda mais sedosa, e seus cabelos mais brilhosos e seus lábios mais rosados.
-Chega Vaidade, assim você irá mata-la.
A garota lançou a outra inconsciente ao chão e disse.
-Você sabe muito bem que não consigo matar um outro mago de cristal com meus poderes, você já sentiu bem na pele eu tentando fazer isso.
Apenas dando um leve sorriso de lado ele disse
-É melhor não arriscarmos. –Ele pegou a Gula sobre os braços e saiu a carregando.



III
-E o seguinte. –Disse Iago a Alan, Ruan, Angel, Shin e Castiel que estavam reunidos na biblioteca. –Eu vir que não ia conseguir nada sozinho, então vir a essa escola, falar com vocês, e descobrir o máximo possível.
-E por que porra você não pensou nisso antes de enfia aquela cobra em minha garganta?
-Eu não sabia se podia confiar em vocês.
-Então você resolveu me sequestrar, me torturar e depois me obrigar a matar meus amigos, para poder ter certeza que éramos dignos de sua confiança?
-Exatamente. –Disse Iago.
-Eu faria o mesmo. –Disse Castiel.
-Ira. –Disse os demais em uni som.
Alan respirou fundo e disse.
-Não podemos confiar nele.
-Ruan? –Disse Shin. –o que você acha?
-Deixaram um humano resolver assuntos de magos? –Questionou a Inveja.
-Aparentemente, ele é quem mais tem conhecimento sobre o mundo magico. –Disse Angel.
Iago o encarou e disse.
-Você deve ser o amiguinho que Alan não parava de se preocupar, soube que você perdeu sua mãe.
Angel serrou os dente e saiu do local.
-Ótimo, espero que esteja feliz. –Disse Alan. –Angel, espera. –Disse ele por fim seguindo o outro.
Ira sentou sobre a mesa e encarou Iago nos olhos.
-Gostei de você. –Disse ela.
-Ótimo, como se não bastasse um demônio, achamos o irmão gêmeo dela.
Castiel fuzilou Shin com os olhos, e não o batel por que ele estrategicamente estava por trais de Ruan.
-Seu argumento. –Começou Johan. –Compreendo que você tenha interesse em descobrir mais sobre seus poderes, e sobre a suposta joia branca, mas ainda não confiamos em você.
-E o que eu tenho que fazer para conseguir a confiança de vocês?
-Para começar. –Continuou Ruan. –Por quer não nos conta, como conseguiu aprender a voar daquela forma.
-Me transformando em um corvo? Vocês não acreditariam se eu contasse que decifrei o código deixado por Merlin, acreditariam?
Ruan ergueu uma de suas sobrancelhas em resposta.



IV
-Angel, espera! –Disse Alan segurando no braço do outro.
-Ele tem ração, provavelmente foi um bruxo quem a matou, e o eu faço, acabo me aliando a eles.
-E o que você pensa em fazer? Eu era seu amigo antes de saber quem de fato sou, eu não a matei e nem o pessoal naquela biblioteca, sei que aquele Iago, também não, pelo pouco que aprendi, cada magia é única, e o poder dele vem em parte dela ilusão, mesmo não gostando dele, sei que ele não fez aquilo com sua mãe.
-Esse não é o problema. –Disse Angel com os olhos cheios de lagrimas.
-E qual seria? –Perguntou seu amigo.
-Os humanos não sabem nada sobre a assistência do mundo magico, eles nunca iram descobrir quem ou o quê fez aquilo com ela, e quem poderia fazer algo, não o faz, onde os bruxos estão, por quer o governo deles não fazem algo a respeito, por quer ela era uma mera humana? –Sem aquentar mais, as lagrimas começaram a cair. –Ela era minha mãe caramba.
-Garotos. –Disse um homem se aproximando.
-Diretor. –Disse Alan olhando para um homem de pele clara, cabelos escuros e olhos vazios.
-O que fazem fora da sala? E o que ouve com você Angel? –Aquele homem levou uma de suas mãos até uma das lagrimas que rolava pelo rosto do garoto a enxugando. –Chorar não irá traze-la de volta, sei que é difícil, mas seja forte, sei que era isso que sua mãe gostaria que fizesse.
Angel passou a mão no rosto em uma tentativa de secá-lo e disse.
-Desculpe-nos senhor, não irá se repetir, iremos imediatamente para a sala.
Os dois saíram juntos em direção à sala deixando aquele homem alto e forte sozinho.
O Diretor ergueu sua mão, era possível ainda sentir a lagrima em seus dedos, e ao encarar a tatuagem de aranha em suas mãos, ele sorriu.



V
-Eu não sou muito de me cortar não cara. –Disse Iago encarando a lamina e o livro da verdade.
-Ou você se corta por livre e espontânea vontade, ou nossa amiguinha aqui fara isso por você. –Disse Ruan impaciente.
Iago revirou os olhos e passou o fio daquela adaga em suas mãos, deixando seu sangue cair sobre as paginas em branco do livro da verdade, e após alguns segundos, palavras surgiram sobre o livro.
-Algumas palavras que estavam faltando nas partes de Castiel e Alan foram complementadas, mas mesmo tendo o sangue de três dos setes magos, ainda não é o suficiente para lê muita coisa. –Disse Shin.
-Mas o que podemos deduzir com o que já temos? –Perguntou a de vermelho.
-Bom, Aparentemente, o livro não está contando apenas a história do Mago de Cristais, mas de um planeta inteiro, e aparentemente, não era apenas um velho sábio que dominava os pecados e os cristais que se destacavam nesse reino, havia aparentemente um cavaleiro com armadura negra. –Shin mostrou um tipo de desenho que apareceu em uma das folhas, e ao virar algumas paginas em branco, ele disse. –Havia uma sacerdotisa também, aparentemente ela era muito poderosa, e possuía um poder de cura e purificação, chamais visto naquele reino.
-A mais alguma coisa ai? –Perguntou Iago?
-Aparentemente não. –Respondeu o coreano.
-Nossa. –Disse a Inveja decepcionado. –Meu sangue mal contribuiu em alguma coisa.
-Foi mais que o necessário. –Disse Ruan.
-Você acha que esse cavaleiro e essa sacerdotisa tem alguma coisa a vê com a morte do Mago dos Cristais? –Perguntou Castiel.
-Talvez. –Disse Ruan. –O livro por hora não está muito claro, mas eles podem ter sido amigos, familiares ou amantes, mesmo contando a história de todo um reino, o sangue depositado no livro é voltado aos mago dos Cristais, e se esses dois apareceram na história, significa que eles são importantes para o nosso mago, ou na história dele.
-Espera. –Disse Shin mostrando uma outra pagina com alguma frases soltas escritas. –Aparentemente, o Mago de Cristal, usava um emblema feito de energia, que surgia sempre que ele manifestava seu poder.
-Semelhante aos magos de elite desse reino. –Disse Ruan confuso. –As coisas deixaram de fazer sentido.
-E sobre a esfera usada pelo mago, suponho que o livro fale sobre como encontrá-la? –Perguntou Iago.
Shin abriu o livro em seu final, e após conferir que nenhuma palavra foi lá adicionado, entregou o livro ao mago da esmeralda.
-Só a um breve poema que fala que os demais magos devem se reunir para procurar tal joia. –Disse Jiho.
Após lê o poema Inveja disse.
-Isso é insano, e só faria sentido se ele soubesse que estamos lendo tal livro.
Ira sorriu e disse.
-Essa é a questão, ele sabia que leríamos.
Iago alternou seu olhar incrédulo para a garota e o livro.



VI
-Droga, ela não atende. –Dizia San consigo mesmo.
-Algum problema? –Perguntou Alan ao encontrasse com o presidente do grêmio estudantil próximo a saída da escola.
-Alan? Oi! –Respondeu ele. –Não, só minha irmã que não está me atendendo.
-Você tem uma irmã? Não sabia.
-É ninguém sabe, ela estuda em outra escola, se me dá licença vou vê se não aconteceu nada com ela. –Disse Ele se despedindo e saindo correndo.
-O que deu nele? –Perguntou Angel comendo uma maçã.
-Algo a respeito da irmã, vamos?
-Achei que iriamos espera os outros para o seu treino, de artes maciais.
Alan começou a andar e disse.
-E vamos, mas lá fora.
-Você quer espera dormindo no banco lá fora, não é?
Avareza começou a rir e disse.
-Você é o único que me conhece tão bem assim cara.
O outro sorriu em resposta e começou a segui-lo.
-Boa tarde. –Disse uma garota se aproximando.
-Oi? –Disse Alan se surpreendendo com a beleza da garota.
Angel que ia em direção ao amigo, parou ao vê uma garota falando com ele, e manteve distancia para não estragar, sabe-se lá o que eles conversaram.
-Nos conhecemos? –Alan perguntou.
-Já nos virmos em seus sonhos. –Disse a garota de sobretudo rosa o abrasando e o beijando, e ao afastar sua boca do garoto, a mesa nevoa rosa que saiu de Gula agora saiu dele, e após Alan cai desmaiado, Luxuria surgiu e o pegou nos braços.
-Merda. –Disse Angel voltando lentamente para dentro da escola, por algum motivo, os outros dois magos de cristal, não o viam.
 Angel entrou correndo de volta a na escola e acabou tropeçando em cima de Ruan que estava saindo acompanhado dos outros três.
-O que foi que aconteceu? –Perguntou Johan confuso.
-E onde está seu amigo? –Perguntou Iago.
Após tropeçar nas próprias palavras o garoto de cabelos coloridos disse.
-O Alan, eles, eles o levaram.
-Eles quem? –Perguntou Castiel confusa.
-Dois magos de cristal, uma de roupa rosa e outro de cor azul claro, eles os levaram.
-Cobalto e Ametista? –Questionou-se Ruan.
-Espera. –Disse Shin. –Você está tendendo dizer que ele foi sequestrando, por dois dos magos restantes?
Angel apenas balançou a cabeça em resposta.
-De novo? –Disse Ira por fim.



J. Aeff

2 comentários:

  1. Gostei da história, mas meio intojada essa tal de vanelly e essa turma dela, vontade de estrangula-lá kkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkk, eu gosto da coitada kkkkkkkkkkkk

      Excluir