Aviso!

Olá caro humano, seja bem-vindo ao nosso mundo sobrenatural! Se essa é sua primeira vez aqui, recomendo que comece a lê por nossa primeira história, “O Sequestro”, que pode ser facilmente encontrado se você abrir o botão da primeira geração, Detectives, que fica no menu acima. Caso você seja um de nossos fãs, tenha uma boa leitura e não esqueça de comentar, ou caso contrario, kraismos morderá todos vocês, isso se Castiel não lhe bater primeiro.

sábado, 19 de novembro de 2016

44 - Cúpula



Um com a aranha resolveu dançar, e por ela picado sempre será;
Outra com a morte foi brincar e sua dona acabou de se tornar.
Não sabemos se viva ou morta estar, mas com ambos consegue falar;
Essa costuma julgar e a morte condenar, seus pecados nunca deixará escapar.
Com os fios está sempre a brincar e seu corpo em um boneco transformará;
Porções costuma fazer e de tanto beber uma vida longa sempre a de ter.
De tanto estudar e descendente dos ancestrais um deus está perto de ser.
Com fogo ela resolveu brinca agora tudo que tocar cinza virara
Itens costuma colecionar, e sem espaço agora estar;
Esse por fim costuma voar e para sempre regente será.




I
-Mas o que significa isso? –Johan perguntou confuso.
-Existe um mal ameaçando nosso clã, você não achou que ficaríamos de braços cruzados, achou? –Disse a Feiticeira.
-Scott seu verme, você me prometeu se eu lhe ajudasse, manteria a Cúpula fora dessa.
-Não me julgue filhote de lobo, faço o que acho ser melhor para meu clã e a defesa de minha casa.
-E esconder tais informações de nós, é um crime grave perante as leis do antigo ELE. –Complementou Agatha.
-E isso não é a única coisa. –Disse o mas jovem entre a Cúpula.
Um garoto que não aparentava ter ais que vinte e dois anos de idade, estava deitado sobre a mesa do escritório do diretor, suas vestes eram pretas, seu cabelo estava bagunçado, sua pele era um pouco mais escura que as dos demais, bronzeada era a palavra, seus olhos eram negros e havia um leve escurecimento ao redor de seu olho, algo feito com lápis de olho.
O garoto desentende dos ancestrais, virou a cabeça em direção ao protetor, fez uma espécie de V invertido com uma de suas pernas, e deixou uma de suas mãos cai da mesa.
-Além de querer que não ficássemos ciente dessa ameaça, você escondeu a existência, como é que ele se chamam mesmo? Os magos de cristal?
Os olhos de Johan ficaram paralisados olhando para face do garoto.
-Magos que quebram a logica desse mundo. –Continuou o que estava deitado. –Pequenos vermes, que se bem treinados, poderiam se tornar soldados de elite, ou meros escravos, usados para passa o tempo.
-Vocês não ousariam...
-O que? –Disse Caleb o dessente dos mais antigos bruxos da história interrompendo o outro. –Não ousaríamos usar seus amiguinhos como meras ferramentas? Claro que não, dos magos de cristal, apenas três nos endereção, seria a eles que usaríamos como ferramentas, o resto descartaríamos, como meros lixos que são.
Ruan serrou os dentes e os punhos, mas antes que fizesse algo chamas o cercaram.
-Você não ousaria atacar qualquer um de nós ousaria? –Disse uma mulher que passava da casa dos trinta anos. Uma mulher elegante e poderosa. Aquela que a tudo que tocar, cinza virar. –Somos os lideres desse mundo, e até mesmo para o Protetor, seria crime nos desafiar, você não gostaria de ir para as masmorras, gostaria?
Ruan relutou em responde-la, e optou em recuar.
-Corrigindo o que Evelyn acabou de falar. –Agatha tomou a palavra. –Estamos modificando temporariamente as leis, a maioria que são todos aqui presentes, entramos em um consenso de não aprisionar aqueles que quebrarem as leis, daqui em diante, iremos simplesmente executa-los, qualquer ato de traição, será sentenciado à morte, pois somente assim poderemos conter a ameaça que se aproxima de nosso reino.
O Protetor a encarou em silencio e após ver Flamel calado por trás dos demais disse.
-Você concordou com isso Nicolas?
O velho se aproximou e disse.
-Sempre fiz o que era certo, para proteger a nós e ao nosso líder.
-Como expor a família Hohenfels, dizendo que a filha deles era a nova regente, você levou uma família inteira de Von a morte, e Elion naquela idade era capaz de lhe dá com qualquer ameaça, sem contar que Yue estava sempre com ele.
-Não podíamos arriscar naquela época, como não podemos arriscar hoje, e acredite em mim meu jovem, posso me arrepender da decisão que tomei no passado, mas não me arrependo dessa. –Disse Flamel em sua defesa.
-Inocentes morrerão tentando fazer o certo, e vocês nem se quer ouviram o lado deles? –Disse Johan se alterando.
-A morte de muitos será necessário, se isso significa evitar uma guerra. –Disse Caleb se sentando sobre a mesa.
 -Elion jamais aprovará essa decisão. –Disse o Protetor.
-Ele não irá se queijar. –Disse Almerinda. –De acordo com a hierarquia, é contra as regras, um ser celestial, ou de patamar superior a um mago sentar no trono do regente, mas se nós, os anciões e o conselho aprovamos ninguém poderá relutar contra nossa decisão, então em troca de nossa fidelidade, ele não se importará  com algumas decisões que tomamos.
Ruan a encarou e disse.
-Espero que Swan arranque sua cabeça forma, da mesma maneira que fez com Ingrid. –Ele começou a sai da sala quando disse. –Espero que apodreçam no inferno.
-Para onde você pensa que vai? –Disse Caleb ficando de pé e indo na direção do garoto. –Não terminamos.
-Para mim já. –Respondeu o outro.
-Se ousar sai dessa sala, sem concordar em nos ajudar, casaremos cada mago de cristal, e após fazermos centenas de experiências que lhe garanto, será repleta de dor, com eles, os mataremos e os usaremos para alimentar os vermes e a terra.
Após respirar fundo, ele disse.
-Que a vontade de vocês prevaleçam meus senhores, vinda eterna para a Cúpula. –Finalizou ele com uma reverencia, saindo da sala em seguida.
Perdidos em seus pensamentos, o jovem Protetor caminhos pelas ruas de Vancouver, sua cabeça estava cheia e começava a doe, vendo que não conseguira dormir, caminhou pela noite, sentindo o frio em sua pele, sentindo o sangue em seus lábios queimar, mas se concentrar na dor que o frio o propulsionava era melhor que pensar nas centenas de vidas que morreriam ao cometer qualquer erro, por mais simples que fosse, se eles vivessem perante as leis dos homens, chamaria aquilo que a Cúpula estava a fazer de ditatura militar.
Em nossas vidas é comum passar por crises, mas ditar regras e ordem não nos ajudar a passar por elas. Nossos representantes deveriam pensar menos em sir mesmos, e começar a pensar no povo que os colocam no poder.
Sentado a, beira de uma arvore o garoto sentiu um pequeno raio de calor sobre seu rosto, ele havia acabado adormecendo próximo ao parque, e os primeiros raios de sol o despertou.
 Ira, Vaidade e inveja, era os magos que vinham a sua cabeça, após saber que a Cúpula se interessava por apenas três deles. Ira podia fazer quase todo tipo de magia que a ensinar, sem contar em sua agilidade, força e poder de defesa e selamento. Inveja com seu enorme poder de ilusão, sem contar que ele de alguma forma, podia se transformar em um corvo semelhante aos membros da extinta casa de Raven. E é claro Vaidade, poderia suga a vida dos condenados e repassar para a Cúpula, os imortalizando dessa forma. Os demais seriam descartados após serem acusados de ameaça ao reino magico, pelo simples fato de serem diferentes do proposto pela sociedade.
O garoto se ergueu diante da luz nascente do Sol e após fecha os olhos os reabriu, e a cor verde que possuíam parraram ao vermelho, um enorme espirito de lobo surgiu e o envolveu, após alguns segundos se dissiparam, e uma enorme pele de lobo branco estava preso a sua cintura, mesmo com a pulseira em seu pulso era possível saber que a estrela que lá estava desenhada desapareceu, ele estava com poder total, e aquele poder pode ser sentido de toda cidade, após dá um grito para extravasar toda aquela adrenalina fundida a raiva que sentia em seu peito ele correu pelo parque onde dormiu, correu o mais rápido que conseguia, saltando em seguida. Ele agora rasgava os céus, seus olhos contemplavam do alto a enorme cidade que havia lá embaixo. Seu poder desafiava as leis da gravidade ou a qualquer outra.
Ao passar seu polegar em um de seus caninos extremamente afiados sangue começou a sai, então ele disse.
-Lupus spiritus, venit ad me.
Um enorme lobo prateado cercado por algum tipo nevoa surgiu no ar, o jovem se agarrou a ele, sentando-se em suas costas.
O enorme animal foi em direção a terra, correndo no meio da rua, a nevoa que estava ao seu redor, o tornou invisível aos poucos humanos que estavam pelas ruas.
O lobo se jogou no oceano, de alguma forma ele andava sobre as águas, e sem rumo algum, o animal carregando o jovem bruxo apenas corria em linha reta, e ao chegar longe o suficiente da costa, o garoto liberou toda energia que estava acumulada em seu corpo, formando imensas ondas no oceano, o espectro invocado por ele desapareceu o fazendo cair dentro das águas salgadas do oceano, e por algum tempo, sem proposito algum, seu corpo apenas boiava naquelas águas.
Fugi da realidade por alguns estantes é necessário para aqueles que se recusam a enlouquecer.
E era isso que Johan tentava fazer, mesmo sem poder, ele tentava por alguns minutos fugir das ordens ditadas por aqueles que claramente usavam do poder, para salvar a sir próprio.



II
Com as roupas molhadas o jovem Johan caminhava lentamente pela praia, seus cabelos banhados pelas águas do oceano caia sobre seu rosto, a luz do sou refletida em sua pele molhada e seus penetrantes olhos verdes o davam um aspecto divino e sensual que faria qualquer mulher cair em loucuras apenas em olhá-lo.
Ele praticamente atravessou parte da cidade caminhando, até chegar a casa de Jiho, onde seus pensamentos voltaram a realidade, e ele percebeu que a lidar com a Cúpula era o mínimo de seus problemas.
-Shin? –Disse ele ao entrar.
-Você chegou bem na hora. –Disse ele em resposta.
O garoto coreano estava diante uma espécie de caixão de vidro.
-Você passou a noite construindo? –Perguntou os outros.
-Já que não podemos traze-la de volta, ao menos poderia tentar fazer seu corpo durar para sempre, essa caixa de vidro ira fazer o processo de  criogenia no corpo dela, a preservando ertenamente.
-E o que o avô dela achou sobre isso.
-Ele virar buscar seu corpo, e a dará um funeral digno, Elion está indo a Tokyo, ele não sabe ainda sobre a morte dela, mas suponho que ele irar ao funeral, gostaria de ir comigo.
Ruan baixou a cabeça e disse.
-Claro.
Shin se aproximou de onde o corpo de Thea estava e a contemplou através do vidro e da água quase congelada, e após pressionar um botão, nitrogênio foi lançado dentro do que seria o eterno caixão da garota, imortalizando seu corpo.
-Não irei chorar mais, sei que minhas lagrimas não a traria de volta, e creio que temos problemas maiores.
-Como você sabe?
-Com exceção de Castiel e Alan que estão na trinando desde ontem a noite na Floresta Negra, os demais magos foram atrás da sua energia, achando se tratar de mais um dos magos de cristal. Não foi difícil deduzir que algo aconteceu a ponto de lhe fazer extravasar sua energia.
-Você está certo. –Respondeu o outro.
-E o que aconteceu?
-A os bruxos da Cúpula estão na cidade.
-Quais deles?
-Todos eles.
Shin o encarou surpreso e disse.
-O que aconteceu a ponto de reuni-los?
-O fim do mundo que conhecemos, uma ameaçar  maior que qualquer outra que o mundo da magia já presenciou está prestes a vir a esse mundo, e eles estão usando os magos de cristal para me chantagear a fazer exatamente o que eles querem.
-Esse não é seu único problema. –Disse o garoto.
-Não entendi. –Respondeu Johan.
Shin retirou um cristal roda do bolso e disse.
-O Cristal de Aphodite, ficou rosa.
-Eu sei, mas os magos acham que sou humano e o resultado deu negativo. –Respondeu Johan
-Os magos acham que você é humano, com exceção do que está apaixonado por você. –Rebateu o outro.
-Puta merda. –Disse Ruan colocando a mão na cabeça.
-Até onde eu saiba, esse cristal foi associado a uma bruxa que recebeu o titulo de deusa, e somente um gago com a mesma grandeza ou superior pode usar o cristal para dizer qual dos magos senti algo forte por você.
-Em outras palavras. –O Protetor tomou a fala. –Somente ELE pode fazer isso.
-E para isso ele precisa está perto dos magos de cristal, e não tem como fazer isso sem lhe expor como mago. –Completou o coreano.
-Puta merda, puta merda.
-Então? O que faremos primeiro? Lhe expomos e descobrimos qual mago fez esse cristal ficar rosa, e acabamos com quem pode revelar seu segredo, revelando seu segredo, ou lhe damos com as chantagem da Cúpula?



III
-Um dos truques para se aprender a lidar com a magia, é domínio de sua mente, o caos de seu corpo, a coroa de seu reino. Os humanos usam a arvore da vida, como uma espécie de auxilio espiritual, mas a complexidade da arvore é bem maior do que as pessoas pensam. –Disse Castiel para Alan no meio da Floresta Negra.
-Você pode falar minha língua. –Disse Avareza.
Castiel revirou os olhos e prosseguiu.
-Pai Abraão, nos ensina que a fé é o que realmente importa, e que ao ter controle de sua mente e de seus sentimento, você seria capaz de sacrificar seus sonhos ou no caso seu filho, em troca de poder ou lealdade, e foi por isso que lhe trousse até a Alemanha, essa floresta é famosa pelas centenas de histórias que a envolve, e pelo fato de ser a moradia de varias criaturas raras e magicas, como também é chamada de lá do diabo, pelo fato que sua imensa escuridão dada as arvore que cobrem parte da luz do sol, mechem comas mentes fracas e perturbadas dos humanos, sendo assim, alguém que não sabe lhe dá muito bem com a magia feito você, pode se sentir um pouco perturbado e confuso após passar um tempo aqui dentro, então meu caro, quero que você lute com sua mente e a domine, pois só assim poderá controlar Keter.
-Tá, mas como eu faço isso?
-Cada pessoa lhe dá com as esferas da Arvore de formas diferentes, em outras palavras, se vira.  –Disse ela desaparecendo.
-Castiel? –Disse o garoto confuso a procurando. –Castiel? Porra, não me deixa sozinho no meio do nada, Castiel!
Olhando para as arvores, o garoto foi tomado pelas sobras, da floresta, o medo de ser abandonado lhe tomou a mente, o desespero começou a lhe possuir.
-Quem está ai? –Disse Alan após ouvir um barulho vindo entre as arvores. –Merda. –Disse ele começando a correr.
Algo com muita fome havia começado a persegui-lo, o garoto avançou desesperando floresta a dentro.
Ao olhar rápido ao seu redor, ele viu e ouviu corvos o observando e gritando, como se alertassem a criatura que o perseguia de sua localização.
A floresta estava cada vez mais densa, cada vez mais húmida, algo no ar não cheirava bem, aquele cheiro lembrava ao garoto, algo podre.
-Espera. –Disse ele parando. –Castiel disse que isso seria fruto de minha cabeça, então nada é real. –Ele encarou uma velha arvore que parecia o encarar de volta. –Devo lutar contra meus medos, nada disso é real. –Dizia ele em uma tentativa de se acalmar, e até que estava funcionado quando de repente os galhos da arvores se moveram e como braços se aproximaram do garoto. –É tudo, fruto da minha imaginação, é tudo fruto de minha imaginação. –Dizia ele mentalmente para sir mesmo, quando os galhos da arvore se aproximou o suficiente e o que parecia unhas o cortaram no braço, rasgando a manga de sua camisa e sua carne junto. –Merda. –Disse ele voltando a correr. –Fruto da minha imaginação uma ova, essa floresta está viva.
 Segurando o ferimento de seu braço que estava sangrando, Alan correu sem rumo no meio das arvores que agora moviam seu ganhos. Elas competiam entre sir para vê quem arrancava do garoto a maior parte, ou simplesmente sua cabeça.
Os corvos gritavam mais altos do que antes, e aqueles gritos o fez lembra que havia uma outra criatura almejando sua vida.
Espinhos começaram a crescer em seu caminho, o garoto estava se rasgando em meio os arbustos e antes que desse por sir, vespas o atacaram o desorientando e o fazendo ir de encontro com uma enorme arvore, se chocando e indo ao chão.
O cheiro podre havia ficado mais forte, e ao olhar para o chão ele viu vermes devorando algum tipo de animal.
Antes que Alan pudesse se levantar, uma enorme criatura semelhante a um demônio vindo do inferno surgiu diante dele, os corvos que o observavam voaram contando os céus, o abandonado, sozinho com aquela criatura demoníaca.
-Ei garoto. –Disse um homem se aproximando.
Como uma corrente elétrica atravessando o corpo de Alan, seu mundo voltou a sir, as arvores eram apenas arvores, a criatura havia se tornado sombras, com exceção da criatura morta próximo dele, tudo estava normal.
-O que você faz aqui. –o homem voltou a falar de pele parda se aproximando.
-Desculpa, eu estava perdido e...
-Achei que fosse impossível para um mago se perder nessa floresta. –Disse o homem chamando a atenção do garoto.
-Alan. –Disse Castiel andando em passos curtos em direção ao garoto.
-Creio que você não está sozinho. –Disse o de pele parda.
-E o senhor quem é? –Perguntou a garota o encarando.
-Eu que faço essa pergunta, essa floresta é minha, o que forasteiros fazem nela?
-Desculpa. –Disse a garota com autoridade. –Não sabia que essa floresta tinha um dono, achei que ela pertencesse ao mundo magico como um todo, lobisomem.
-o que? -Disse Alan se levantando. –Tá de brincadeira né, lobisomem não existe, existe?
-Então você sabe. –Disse o homem.
-Sou uma bruxa, sinto sua presença de longe.
O garoto a encarou e disse lhe estendendo a mão.
- Charles Waldmann, e você senhorita.
Ignorando a mão do cara a sua frente ela disse.
-Não é de sua conta. –Castiel se virou ao outro e disse. –Vamos Alan, você não me disse por que saiu correndo.
-Foi à floresta. –Disse Charles.
Castiel o encarou e disse.
-Como?
-Alguém anda matando os unicórnios. –Respondeu ele apontando para os restos do animal morto ao chão. –A floresta anda atacando os magos, ou qualquer outra espécie de criatura magica que não habita essa floresta, como forma de defesa.
-E o que a Cúpula fez a respeito?
-Aparentemente, nada, e com esse unicórnio forma um total de cinco, mais da metade dos que abitam essa floresta, ou no caso o planeta.



IV
-Não esperávamos lhe vê tão cedo Johan. –Disse Caleb em meio ao demais membros.
-Só queria lhe informar que não irei fazer nada do que vocês me pedirem, e se querem fazer algo com as leis, ótimo, mas se de alguma forma, essas leis ameaçarem o jovem mestre, não hesitarei em mata cada um de vocês.
-Se essa é sua resposta. –Disse Agatha. –Não vejo outra alternativa a não ser levar os magos de cristal presos, para que sejam feitos estudos em seus corpos e marcas.
-Acho que não. –Disse ele.
-E o que você vai fazer? Nos ameaçar? –Disse Caleb começando a rir.
-Eu? Não, mas ele vai. –Ruan respondeu olhando de leve para porta.
Shin entrou na sala do diretor tendo um tablete em mãos.
-E o que ele poderia fazer contra os bruxos mais poderosos do clã? –perguntou Scott.
-Contra vocês? Nada. –Respondeu Jiho. –Já com as contas bancaras de vocês, ai é outra historia.
-O que!? –Disse Evelyn.
-Um orfanato da Ruanda acabou de receber dez milhões de dólares da conta de cada um de vocês.
-Você está hackeado nossas contas. –Disse Caleb demostrando medo em sua voz.
-Hackeado? Não! Eu já hackiei. Agora que tão eu mandar uns cem milhões para ajudar os refugiados da Síria?
-Eu vou te matar seu nerd desgraçado. –Disse Caleb sendo segurado por Scott.
-Ou! Vai mesmo. –Disse Johan. –Achei que fosse contra a ele levantar a mão contra algum membro da família de um dos bruxos pertencente a Cúpula.
Caleb parou e encarou o jovem Protetor.
-As únicas vantagem de ser filho de uma bruxa da Cúpula, é poder fazer o que quiser e ter imunidade, a lei de vocês é tão poderosa, vocês deveria ter previsto isso. Não era mesmo mamãe. –Disse Shin encarando a feiticeira. –Onde eu estava mesmo, a é, a Síria.
-Espere. –Disse Almerinda. –Faremos o que vocês quiserem, deixaremos os magos de cristal em paz e não envolveremos vocês em nossos assuntos. Apenas não faça mais nenhuma transferência.
-Essa não é uma decisão que você possa tomar sozinha Almerinda. –Disse Agatha a advertindo.
-Fale por sir só. –Disse Evelyn. –Concordo com a necromante.
-Acho que os demais estão a favor. –Disse Ruan. –Você s tem menos de duas horas para sai da cidade, ou a conta bancaria de vocês iram para o ar.
Ruan e Jiho foram em direção a saída quando a feiticeira disse.
-Shin meu filho espere.
Jiho olhou para ela e disse.
-Não me chama me chame de filho, você ameaçou colocar a vida de meus amigos em perigos, então me faça um favor senhora Joseon, vá para o inferno.



V
-Essa foi por pouco. –Disse Ruan ao se joga no sofá.
-Eu achei que fosse fazer nas causas depois que Caleb me chamou de nerd, quase morri.
Eles começaram a rir.
-Mas tem algo que não se encaixa. –Disse Ruan.
-E o que seria?
-Como eles sabiam tanto sobre os magos de cristal, não contei nada nem mesmo para Elion.
-A escola tem uma barreira protetora colocada pelo diretor e sir.
-Tá de sacanagem. –Disse Ruan decepcionado. –Eles tem um mago de cristal trabalhando para eles.
-E não é só isso, o mago é um dos alunos, estava de baixo dos nossos narizes esse tempo.
-Puta merda.


J. Aeff 

2 comentários:

  1. Mdss como assim o mago dos cristais é um aluno da escola e aquela floresta demoníaca tadinho do Alan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, a verdadeira história do Mago dos Cristais será bem complexa, e irá pega muita gente de surpresa kkkk

      A floresta Negra, as histórias começam a se encaixar heuheuehue

      Excluir