Aviso!

Olá caro humano, seja bem-vindo ao nosso mundo sobrenatural! Se essa é sua primeira vez aqui, recomendo que comece a lê por nossa primeira história, “O Sequestro”, que pode ser facilmente encontrado se você abrir o botão da primeira geração, Detectives, que fica no menu acima. Caso você seja um de nossos fãs, tenha uma boa leitura e não esqueça de comentar, ou caso contrario, kraismos morderá todos vocês, isso se Castiel não lhe bater primeiro.

sábado, 12 de novembro de 2016

43 - Espectros






Existe uma raça desprovida de amor ou de qualquer outro sentimento, eles só conseguem odiar, desprezar e enganar, e essa raça inferior se autodenominar humanos.
 (Thea)




I
Eles se afastaram do circulo de luz e ficaram contemplando a figura que de lá saia, até que com um grito exuberante e a queda do capuz que cobria sua face, mostrando a fisionomia de uma criatura mumificada, varias outras saíram e se juntaram a ela.
-Pelo amor do Harry Potter. –Disse Shin encarando os espectros.
-Corram, corram. –Disse Ruan os alertando.
As criaturas começaram a flutuar sobre a casa, elas estavam com sede, e essa sede seria saciada com a vida de quem os invocou.
-Castiel? –Disse Iago.
Ela movimentou a cabeça em concordância.
-Protectos. –Disse ela por fim criando uma barreira vermelha em uma tentativa de proteger a todos.
-Acho que isso não vai funcionar. –Disse Shin apontando para um espectro que estava atravessando o escudo. –Alguém ai sabe a magia do patrono?
Ira acertou um chute no rosto do garoto e disse.
-Não é hora de incorporar personagens fictícios moleque.
-Alguém faz alguma ideia de como detê-los. –Perguntou Violet.
A porta da frente se abriu e uma garota entrou.
-Shin, resolvi lhe visitar.
Os espectros voaram em direção a jovem humana que acabara de chagar.
Luxuria avançou em direção a ela e a agarrou. Saltando para cima, como se andasse pela parede, ele deu um mortal no ar com a garotas nos braços regressando para o lado dos demais.
O espectro furioso, atacou o painel de controle ao lado da porta, fazendo ele perder  e  o portal oscilar, mostrando vários imagens pelo mundo, o espírito confuso passou pela porta, sendo seguido pelos demais, mas como o portal estava oscilando, se dividiram e foram para lugares diferentes pelo planeta.
-O que foi isso? -Perguntou a jovem que havia acabado de chegar.
-Espectros ceifadores. –Respondeu Castiel. –E você, quem é?
-Essa é a Thea, uma velha amiga. –Respondeu Jiho com a mão no rosto.
Ruan pegou o livro do chão e olhou para o símbolo.
-Algo está errado. –Disse ele. –Esse símbolo é para invocar a alma de alguém que ao mundo dos vivos não pertence, deveria ter funcionado.
-Mas ao invés disso, trousse os ceifadores da Morte a esse mundo. –Completou Castiel.
-Estamos falando de magia na frente de uma humana? Achei que já seria arriscado de mais contar para o coloridinho sobre nós.
A garota levantou a manga da camisa mostrando seu braço tomado por uma tatuagem.
-Sou Thea Inagawa, herdeira de Kakuji Inagawa, sei lidar com a vadia da Agatha.
-Acho que não é hora de ficarmos brigando. –Disse Lance. –Libertamos criaturas do inferno, creio que é nosso dever manda-los de volta para lá.
-Luxuria tem razão. –Disse Castiel.
-Shin, Para onde eles foram? –Perguntou Ruan.
-Em um minuto eu responderei. –Disse o garoto conectando um cabo em seu notebook e no painel de sua porta.
-Creio que deveríamos nos preocupa em saber por que o rito não funcionou. –Disse Violet.
-Você tem razão. –Respondeu Ruan. –Mesmo que o Mago dos Cristais seja de outra dimensão, o mundo dos mortos é o mesmo para todos.
-Pessoal, consegui. –Disse Jiho chamando a atenção. –Um está em Paris, outro no meio da Amazônia, Angola e Nova Zelândia.
-Sei fala francês, posso ir com Luxuria para Paris. –Disse Vaidade.
-Sei um pouco de português. –Disse Iago.
-Ira você poderia ir com ele para a Angola? –Perguntou o Protetor.
-Claro. –Respondeu a garota.
-Irei com Shin e Thea para Nova Zelândia, nos encontramos de volta aqui e iremos para a Amazônia.
-O.K. –Disse Todos em uni som.
-Não seria melhor para vocês se chamassem Alan? Magia de combate não é a praia de Shin. –Disse Castiel.
-Alan descobriu recentemente que era um mago, suas habilidades não serão, muito uteis.
-Qualquer coisa. –Disse Thea. –Sou ótima no uso de espadas.
-Levarei alguns minutos para estabilizar o portal. –Disse Shin sendo ignorado.
-Aproposito, como derrotaremos aquelas criaturas? –Perguntou Luxuria.
-Trabalho em equipe. –Disse Ruan. –Creio que se Vaidade chegar bem perto, poderá sugar a essência de um deles.
-Impossível. Eu só sugo o que acrescenta-me algo a minha beleza. –Disse ela.
-Creio que imortalidade conte nessa lista. –Respondeu o garoto.
Ela fez uma cara de concordância um pouco que estranha.
-E quanto a você e Castiel. –Ruan voltou a falar. –Creio que um feitiço de banimento seja mais que o suficiente. Shin?
-Só mais um segundo. –Disse ele com os olhos cheios de números. –Pronto. Portal estabilizado e pronto para ser atravessado. –Ele fechou a porta e após apertar alguns botões reabriu dizendo. –Primeira parada Paris.
Luxuria e vaidade passaram pela porta saindo nas ruas de paris de frente a uma casa luxuosa.
-Nossa, Essa é a faixada da sua casa em Paris? –Perguntou Violet.
-Você não viu a dos outros lugares. –Respondeu Shin fechando a porta e apertando alguns botões. –Angola. –Disse ele reabrindo a porta em mostrando as ruas de Luanda.
Após os outros dois atravessarem o anfitrião disse.
-Quando terminarem, é só bater na porta e uma de minhas garotas a abrirá. –Ele falou fazendo menção aos seus robôs.
Ele fechou a porta e ao reabrir ela exibia as ruas de Wellington em Nova Zelândia.
-Vamos. –Disse Ruan para a garota que havia pegado uma espada.
Eles atravessaram na frente sendo seguido por Jiho que fechava a porta pela ultima vez.
-Creio que levaremos segundo para bani o espectro. –Disse o jovem coreano. –Afinal de contas, Thea sabe sobre você.
-Creio que não será tão fácil. –Respondeu o Protetor. –Abaixo dessa pulseira. –Disse ele mostrando o pulso. –Tem uma estrela desenhado na cor preta, símbolo de proteção e contenção, a uso para esconder minha presença, mas entronca, ela limita meu poder, eu teria que remove-la para usar carga total, e se fizer isso, não será tão fácil refaze-la.
-Isso significa que...
Thea interrompeu o amigo e disse.
-Significa que terei que dá um jeito no espectro. Por isso peguei a espada de sua mãe que estava escondida em seu quarto.
-Você o que? –Disse Shin olhando para a mão da garota. –Mas como?
-Agora não é hora Shin. –Disse Johan. –O espectro está próximo à praia, temos que sermos raptos.
.
.
.
-Temos que sermos mais rápidos. –Disse Vaidade correndo contra o vento ao lado de Luxuria.
-Merda. –Disse o outro. –Aquela coisa estava nos esperando.
As ruas de Paris já estavam escurecendo quando os dois magos a atravessaram correndo, sendo seguido por um dos emissores da morte.
-Vou distrai-lo, o suficiente para você se aproximar. –Disse Lance parando e se voltando contra o ceifador. –Pode vir com tudo o que você tem coisa feia.
O espectro parou flutuando a sua frente. Ele era extremamente alto, passando dos dois metros de altura, aquelas vestes pretas, rasgadas, possuindo um corpo esquelético e mumificado, antes que Lance desse por sir, já estava preso no encanto daquela criatura.
-No final das contas, seremos todos beijados por um dos ceifeiros da morte. –Disse ele inocente.
O ceifador agarrou seu pescoço o erguendo, seus longos dedos que se misturavam com suas garras envolverão o que agora não passava de um pequeno pescoço.
O corpo do garoto estava começando a fica frio e sua pele pálida, quando vaidade avançou sobre a criatura.
-Não deixarei você se alimentar da essência de meu amigo.
Mas antes que ela pudesse fazer algo, o “Dementador” (Breve citação as obras de J. K. Rowling). Arremessou a garota contra a parede de uma das casas. Fazendo que um pouco de sangue misturado com saliva saísse de sua boca.
O espectro começou a sugar a vida do jovem, sua pele estava começando a ficar mais velha, seu cabelo branco e seus olhos um pouco mais claro.
A visão da garota estava ficando embaçada quando ela viu uma rajada de fogo avançando em direção ao vulto negro que estava matando seu companheiro.
Luxuria foi largado no chão, algo havia deixado à criatura esquelética confusa.
-Olha quem saiu do inferno sem a autorização de Swan. –Disse a garota com chamas nos olhos.
Com um pouco de dificulta Violet se levantou e disse.
-Quem, que é você?
A outra garota se virou para a outra e disse.
-Katherine Patterson, mas por que não deixamos as apresentações para depois. –Finalizou a garota com um sorriso se virando para a criatura encapuzada.
-Você consegui segurar ele por alguns segundos? –Perguntou a de rosa tentando se recompor.
-Claro mais por quê? –Perguntou a outra.
Os olhos de Violet ficaram lilás, e antes que desse por sir estava avançando com tudo em direção ao espectro.
Antes que a criatura pudesse fazer algo Katherine disse.
- Divinae flammae. –Chamas saíram da terra em forma de correntes prendendo aquele chamado de ceifeiro.
Vaidade saltou em cima dele e aproximando sua boca da criatura começou a suga-lo, uma nevoa negra começou a entrar em sua boca e apos alguns segundos o próprio espectro se transformou em nevoa e foi sugado pela garota.
Os olhos que até então estavam lilás ficaram negros, a garota se virou para o amigo ao chão e ao reabrir a boca, uma nevoa cinzenta saiu dela e foi até o jovem.
O corpo de Lance começou a flutua, sua pele voltou ao normal, com exceção de uma mexa de seu cabelo que permaneceu branco.
-Hou! –Disse Katherine. –Agora sou eu que pergunto, quem são vocês, nunca vir nada assim antes.
Luxuria se levantou confuso e disse.
-Obrigado pela ajuda, mas não temos tempo para responder essa pergunta no momento, temos que ir atrás de outros espantalhos voadores.
-Mas como eles saíram do mundo dos mortos, minha avatar é senhora da Morte, eles não sairiam assim do nada.
-É uma longa história. –Disse Vaidade.
-Seu poder de trazer seu amigo de volta praticamente da morte. –Disse Katherine. –Um amigo meu foi envenenado com figueira do diabo, será que você poderia o ajuda-lo?
-Não temos tempo para caridades agora. –Respondeu Luxuria passando a mão no cabelo. –Que merda é essa no meu cabelo?
-Lance, ela nos ajudou, sem ela, provavelmente nós dois estaríamos mortos, creio que ajudar seu amigo seja a melhor forma de retribuir o favor, e creio que os outros darão de conta dos demais ceifadores.
-Obrigada. –Disse a mestre das chamas com os olhos úmidos.



II
Castiel havia retirado seu, sobretudo, apesar de já ser quase noite em Luanda, estava quente para se usar uma roupa  como a dela.
Um corvo que se aproximava da garota foi tomado por sombras e adquiriu a forma de um garoto.
-Não conseguir vê nada lá de cima. –Disse Iago já na forma humana.
-Não conseguir sentir a presença dele daqui de baixo também. –Respondeu a garota.
-Espera. –Disse o garoto olhando para as sobras.
Do alto da torre de uma igreja surgiu uma mão esquelética se agarrando a enorme cruz que lá estava, olhos vermelhos surgiram em meio as trevas da noite, aquele que ceifar estava diante dos dois garotos, e após dá um grito estrondoso chamando atenção dos que estavam na rua, mostrou sua face por completa.
-Mas essa. –Disse a garota perdendo a paciência.
Ela começou a correr no meio da multidão que se formava, e saltou para cima do teto da igreja, o sobretudo amarrado a sua fina cintura lhe deu um ar de graça, que se tornou sex quando seus cabelos começaram a dançar ao vento.
Antes que as pessoas puxassem seus celulares e começassem a filmar toda aquela cena, Iago entrou na cabeça de todas elas, modificando suas memorias e as fazendo ignorar a luta épica que estava preste a acontecer.
Iago caiu de joelhos no chão com o nariz sangrando ele disse quase gritando.
-Castiel, estou praticamente esvaído.
-Não se preocupe. –Disse ela de cima da igreja. –Eu dou de conta dessa coisa feia.
O espectro voou em direção a garota, que sem seu sobretudo era possível ver melhor suas roupas roupa preta justa ao corpo, botas cano alto da mesma cor, uma larga coleira de couro presa a seu pescoço som sua pedra de ruby preso a ela.
-Pensando bem. –Disse Iago. –Eu teria medo dela, não do espectro que costuma comer almas no café da manhã.
Antes que o servo da Morte desse por conta, a garota havia acertado uma voadora em sua face, o fazendo voar e ir de encontro ao chão.
Inveja se levantou e foi em direção aos espectros, sendo ignorado pela multidão que por lá passava.
Castiel se juntou ao seu lado e disse.
-Seu poder de manipular mentes veio bem a calhar.
O garoto a encarou e disse.
-Como é que o nerd gay aguenta seu chute, se nem a morte suportou?
-Isso é algo que venho me perguntando a um bom tempo. –Respondeu a garota parando de frente a criatura ao chão.
Ela ergueu sua mão direita em direção ao ceifeiro e disse.
-Volte ao inferno criatura covarde, eu Ira assim ordeno, regresse ao seu lá em nome daquele que não deve ser pronunciado, eu assim ordeno.
Runas vermelhas em forma de correntes tomaram o corpo do espectro, um portal se abriu sobre o chão e o sugou para dentro.
-Vamos voltar. –Disse a garota. –Creio que os outros precisem de nós.
-Tenho um pergunta a fazer, como a casa do Jiho está em tantos lugares ao mesmo tempo?
-Não faço ideia. –Respondeu ela indo à frente.



III
-Shin? –Disse Thea. –Você ainda está solteiro?
-Então foi por isso que você veio até aqui? –Respondeu o garoto.
Thea conheceu o jovem Jiho há algum tempo, quando Ruan e Elion precisaram da ajuda do garoto para lhe dá com a máfia japonesa, e desde então, ela o tem como um grande amigo, não somente ao jovem sul coreano, mas aos ouros dois que conheceu naquela noite.
Ela era uma jovem encantadora, linda, inteligente, e sabia manuseia uma espada melhor que ninguém.
Seus meigos olhos negros, sua pele pálida cobertas cor roupas de mangas compridas para ocultas suas centenas de tatuagens, seus cabelos negros, cortados de forma curta, para não a atrapalhar quando estivesse empunhando uma espada. Tão jovem, tão poderosa, Thea era capas de lhe dá com o mais valentes entre os homens, mas era tão sensível, semelhante a uma borboleta.
-Me admiro vocês ainda não terem ficado. –Disse Johan parando próximo ao oceano para encarar os outros dois.
-Ela estava namorando com um cara da casa de Inagawa-kaï. –Respondeu o menor.
-Era só você ter pedido, que eu teria terminado com ele. –Respondeu ela, com um sorriso, doce e inocente.
O garoto a encarou e disse.
-Mas eu pedi, você que estava perdidamente apaixonado por ele. Ruan está de prova.
-Desculpa. –Disse o outro garoto. –Aquele dia foi muito confuso para mim, e até hoje não lembro de metade das coisas que aconteceram, não me usem como exemplo.
De cabeça baixa Thea disse.
-Eu deveria ter lhe ouvido na época. –Lagrimas começaram a escorrer sobre seu rosto. –Ele era um baita de um idiota, eu deveria ter valorizado mais quem de fato se importava comigo, não um idiota feito ele.
-É melhor falarmos sobre isso depois. –Disse Shin mudando de assunto.
Mais um dos espectros havia sido encontrado, Thea secou as lagrimas e disse.
-Deixa que eu tomo de conta desse.
Ela avançou com sua espada sobre a criatura, mesmo ela sendo uma das melhores no manuseio da espada entre os membros da Yakuza, ela era humana, e lenta de mais para um espectro vindo das profundezas inferno.
Antes que Shin pudesse ir ajuda-la, Ruan o deteve.
-Essa luta é dela.
O garoto o encarou e após suspirar fundo disse.
-Alguma coisa seria aconteceu com ela.
-Eu sei. –Respondeu o Protetor. –E você irá ajuda-la com isso, mas não agora.
O espirito encapuzado segurou a garota pelo pescoço, mas antes que pudesse suga-la ela enfiou sua espada na garganta da criatura, que a soltou e antes que pudesse fazer alguma coisa, foi sugado pela lamina da arma branca.
-Eu amo os brinquedos místicos de sua mãe Jiho. –Disse ela apos pega a espada no meio da areia e indo em direção aos dois garotos.
-Vamos voltar. –Disse Johan. –Temos mais um lugar para irmos.
.
.
.
Ao entrarem de volta na casa, Castiel e Iago já estavam lá.
-Achei que não voltariam. –Disse Iago ficando de pé.
-Vocês sabiam que essas criaturas conseguem esconder a presença por completo?
-São criaturas que ceifam a alma do próprio regente quando sua hora chega, não é de se admirar que elas tenham essa habilidade. –Respondeu Ruan. –Onde estão os outros dois?
-Vaidade me mandou uma mensagem informando que surgiu um outro problema e que eles teriam que resolver. –Disse Iago.
-Eu aposto que aquela vadia está fazendo compras. –Respondeu Castiel.
-Não podemos esperar por mais tempo, temos que ir atrás do ultimo.
-E por quer essa presa toda? –Perguntou Iago se aproximando.
-Não tenho uma casa na Amazônia, não sei como o portal foi aberto para lá.
-Castiel deu de conta de um espectro sozinha, creio que não precisaremos dos outros dois.
-Não precisaram de quem? –Disse Vaidade abrindo a porta.
Ela aparentava está exausta.
-Acho que estava errada sobre as compras. –Disse Ira observando que a outra não estava com uma sacola em mãos.
Shin apertou alguns botões e abriu a porta que agora mostrava uma imensa mata.
Após todos passarem por ela, ele viu que se tratava de um portal de pedra no meio da mata, feito supostamente por alguma civilização antiga.
-Deixarei a porta aberta. Yumy, fique perto dela, não deixe ela se fecha e nem algum animal selvagem entrar.
-Como desejas meu senhor. –Respondeu o sintozóide.
-Ele estar naquela direção. –Disse Violet.
-Como você sabe? -Perguntou Castiel.
-Longa história. –Disse Lance tomando a frente.
Após alguns minutos eles estavam entrando em uma caverna quando Shin disse.
-Ruan, o portal para cá e essa caverna, creio que seja obra de minha mãe.
O outro abaixou o tom de sua voz e disse.
-A alguns quilômetros daqui, fica as ruinas de uma antiga civilização, os humanos ainda não as descobriu, é algo semelhante às pirâmides do Egito, se sua mãe está interessada delas, creio que devo investigar mais a fundo depois.
-Isso são cristais? –Perguntou Thea.
Ruan se aproximou pegando um de cor branca que estava praticamente solto da parede, o cristal que até então era transparente adquiriu uma cor rosada.
-Já ouvir falar sobre esse cristal. –Disse Iago. –Alguns os chamam de Cristal de Venus ou de Pedra de Aphodite. Quando um mago a toca, se alguém próximo , está apaixonado por ele, o cristal fica rosa, se não fica azul.
-O quê? –Disse Ruan segurando o cristal rosa em suas mãos.
-Mas se for um humano, raramente acontece, mas quando muda de cor, o oposto acontece, ele fica azul quando alguém próximo está apaixonado e rosa quando não.
Ruan Colocou o cristal no bolso e disse.
-Deixamos essas coisas de lado, temos que encontrar o ultimo dos espectros.
-Acho que não será necessário. –Disse a de rosa.
Havia uma marca de fogo no piso da caverna.
-Isso é cristal de banimento, colocado de proposito aqui. –Disse Castiel.
-Acho que sua mãe chegou primeiro Jiho. –Disse Ruan por trás dele.
-Não sinto a presença dele. –A de rosa prosseguiu. –Será que podemos voltar, esse lugar não cheira muito bem.



IV
Já era noite quando eles regressaram, Ruan se sentou exausto sobre o sofá quando Alan entrou junto de Angel.
-Acabei de receber altar. –Disse ele.
Antes que Johan pudesse falar alguma coisa, seu celular vibrou, e após conferir, ele ficou em pé.
-Santa Mãe de Deus.
-O que foi? -Disse Shin se aproximando ao lado de Thea.
-Péssimas noticias, alguém que Elion se importa foi assassinado, e é meu dever informar a ele. Merda, agora ele deve está comemorando o aniversario de Lucy, como vou dizer isso a ele? –Ruan respirou fundo digitando uma mensagem enviando em seguida ao seu amigo. –Definitivamente, estraguei a noite dele.
Ele foi para a cozinha onde Alan havia ido se encontrar com os demais.
-Shin, sobre mais cedo. –Disse Thea ao vê que estava a só com o garoto.
-Thea, não se preocupe, só preciso de um tempo.
-Eu só queria te pedi desculpas, pela forma que lhe tratei em minha casa, se eu tivesse lhe dado ouvidos, quando você tentou me alertar sobre aquele canalha, provavelmente não estaria com o coração partido agora. –Disse ela segurando as lagrimas.
O garoto sorriu e disse.
-Já faz tanto tempo, não se preocupa com isso, eu já esqueci tudo que aconteceu naquela noite, você deveria fazer o mesmo, esquecer tanto aquele dia, como o idiota que lhe fez sofrer, aproposito, o que seu avó fez com ele, afinal de contas você é neta do Oyabun, ninguém meche com a neta dele e saiu ileso para conta a história.
Ela deu um leve sorriso e disse.
-Digamos que ele nunca mais segura uma espada, ou qualquer outra coisa.
O garoto começou a rir e antes que desse por sir, a garota estava o beijando.
-Vadia desgraçada. –Disse Violet se aproximando. –Ele é meu.
-Olha, o nerd perdeu o B.V. –Disse Iago.
Ira os encarou dos pés a cabeça e disse.
-Que nojo.
Thea se afastou e disse com um lago sorriso.
-Vou voltar para casa, deixarei vocês descansarem, afinal de contas, tiveram um longo dia.
O sorriso da garota por algum motivo foi apagado.
A encarando Jiho disse.
-Thea, algum problema...
Um espectro saiu de dentro da garota tendo em mãos seu espirito.
O corpo da garota caiu sobre o chão como uma casca oca, petrificado olhando aquela sena, antes que pudesse fazer alguma coisa. O espirito inocente da garota encarou o coreano, pronunciando algumas palavras que saíram frias e triste.
-Shin, eu te am...
Com as imensas garras, o espectro estraçalhou aquela alma em pleno ar. Ele não a devorou ou a levou para o inferno, ele apenas destruiu sua alma, sua essência.
-Não!!! –Shin gritou desesperando. –Thea!!!
Um portal se abriu no ar, mas antes que o ceifeiro pudesse atravessá-lo, Shin apareceu a sua frente enfiando a mão onde em um humano ficava o coração e de lá arrancou algo semelhante, porem de cor escura, suas unhas se transformaram em garras, estraçalhando seja lá o que aquilo fosse, fazendo o espectro desaparecer em sobras.
O garoto caiu de joelhos ao lado do corpo de Thea, as lagrimas invadiram sua face, a dor que ele sentia, era algo novo, mesmo sem chegar a provar algo, ele a amava desde o primeiro dia que a conheceu, e agora esse amor foi arrancado bruscamente de seu peito.
Ele abrasou os restos mortais da garota e com lagrimas nos olhos disse.
-Ruan, por favor, teve haver algum jeito de trazê-la de volta, Ruan, por favor.
Sem folego em seu peito, e segurando as lagrimas, Johan apenas conseguiu balançou a cabeça de forma negativa.
-Por favor. –Implorou o garoto em platôs.
-Desculpa. –Disse o outro sem conseguir mais conter as lagrimas.
Vaidade que agora chorava se abraçou com Luxuria, que apenas não sabia o que fazer, ela não era sua amiga, ela mal trocou duas palavras com ela, mas mesmo assim seu coração estava apertado, Ira e Iago apenas baixaram a cabeça.
-A alma dela foi destruída, creio que nem ELE, poderia fazer algo a respeito. –Seu Celular havia vibrado novamente e por impulso ele o pegou, mesmo com lagrimas nos olhos ele conseguiu lê a mensagem claramente. –Desculpa, tenho que ir. –Disse ele indo em direção a porta, antes de atravessa-la ele parou e encarou o jovem ao chão segurando aquela que um dia ele chegou a amar em segredo. Então de cabeça baixa, ele atravessou a porta sem olhar mais para traz.



V
-Espero que seja importante, essa não é uma boa hora para me chamar aqui. –Disse Johan ao diretor Scott.
-Não é uma boa hora para ninguém meu jovem. –Respondeu ele. –Aparentemente a rumores que bruxos das trevas estão tentando trazer Lúcifer de volata a Terra, e a rumores sobre alguém nesse planeta ser a esposa dele.
-Você acha que a mascarada seria ela?
-Eu não acho. –O homem da tatuagem de aranha se aproximou do jovem e voltou a falar. –Eu tenho certeza, de acordo com Almerinda, essa seria a única explicação, para ela ter conseguido entra no quarto da senhora Smith sem deixar algum tipo de rastro que a Cúpula não pudesse seguir.
-Quem mais sabe sobre isso? –Perguntou o jovem protetor.
-Fora Swan? –Disse o diretor.
-Todos nós. –Respondeu a Feiticeira por trás do garoto.
Ruan se virou e viu e mais seis bruxos diante dele. Com exceção de Elion, Natallie e a bruxa decapitada, todos os membros da Cúpula estavam diante do jovem Protetor.



J. Aeff

2 comentários:

  1. Nossa quanta treta adorei, eu que não queria enfrentar um espectro e virar uma casca oca kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus, com tanta treta você se preocupa em não pegar uma briga? kkk

      Excluir