Aviso!

Olá caro humano, seja bem-vindo ao nosso mundo sobrenatural! Se essa é sua primeira vez aqui, recomendo que comece a lê por nossa primeira história, “O Sequestro”, que pode ser facilmente encontrado se você abrir o botão da primeira geração, Detectives, que fica no menu acima. Caso você seja um de nossos fãs, tenha uma boa leitura e não esqueça de comentar, ou caso contrario, kraismos morderá todos vocês, isso se Castiel não lhe bater primeiro.

domingo, 22 de outubro de 2017

59 - Drakulya Drákos

 



I
-A entrada é por aqui. –Disse Raven olhando além da areia da praia ao sul do palácio.
Elion suspirou fundo e disse:
-Vocês sentiram essa energia?
-Suou como algo demoníaco. –Comentou Lucy.
-Olha, entraremos por uma passagem que liga as masmorras ao esgoto, então creio que seja normal sentir tal presença, afinal de contas, apenas os piores ou os melhores do reino se encontram presos nas masmorras do palácio Drákos.

Elion não falou nada, ele não queria discordar do jovem ao seu lado, porem ele sabia que tal energia era bem mais que a pertencente a um prisioneiro normal, aquela energia era provavelmente parte do poder oculto pertencente aos cristais, e se Castiel havia despertado tal poder ali, ele teria que agir rápido, pois se o governante do reino de Elvish colocasse suas garras (literalmente) sobre tal energia, ele mudaria todo o percurso da história e mudaria o mundo que conhecemos.
-Entraremos pelo aquele túnel? –Lucy questionou apontando para uma pequena abertura que ficava entre as rochas e a força do oceano, um lugar que se cometido qualquer erro, a pessoa ou morreria afogada ou esmagada entre as rochas.
-Eu esqueci de falar, consigo entrar e sai de lá porque meus poderes facilitam para mim, mas infelizmente não posso carregar vocês, foi por isso que eu queria vir sozinho.
-Ah, sobre isso, relaxa, não reclamei do túnel pelo fato de ficar entre as rochas e sim pelo fato de ser nojento, tudo bem, eu sou “dedante” e tal, mas ali é mais nojento do que consigo aquentar. Mas enfim, já que não tem outro jeito. –Lucy terminou de falar começando a flutuar. –Vem Elion, sobe nas minhas costas, sei que você ainda não consegue dominar as assas perfeitamente.
Elion assim como a garota pediu o fez, e rapidamente eles atravessaram o oceano e adentraram no túnel.
-Ela flutua? Ele tem assas? O que é uma “dedante”? –Raven começou a se questionar.
-Você vem ou não? –Gritou Lucy para o outro que em resposta se transformou em um corvo e voou até ela, sendo tomado por sombras e voltando a ser humano.
-Você demorou. –A serva de Satch falou.
-Eu não demorei, foram vocês que saíram voando do nada. –Rebateu o corvo.
-Faz sentindo. –Elion disse olhando para a garota.
Ela apenas mexeu a cabeça em ar de duvida.
-Por aqui. –Disse Raven tomando a dianteira.
A energia demoníaca sentida pelos dois amigos a pouco tempo dissipou-se por completo.
-Elion. –Disse Lucy correndo ao lado dele.
-Eu percebi, só espero que ela esteja bem, preciso dela para chegar no Mago dos Cristais.
Lucy semicerrou para o regente e disse depois:
-Ele está vivo? Mas o livro da verdade que você leu antes de apagalo dizia que...
-Eu sei o que o livro dizia, mas sei que a verdade vai bem mais além do que lá estava escrito, o Mago dos Cristais realmente foi morto pela personificação das trevas, mas porque sua forma carnal foi destruída, não quer dizer que seu espirito não.
-Elion. –Havia expando e preocupação na voz da garota. –O planeta onde ele habitava foi completamente destruído, uma reencarnação, seria impossível.
-Eu por acaso mencionei que o Mago reencarnou no mundo dele? O mesmo poder que trousse as joias para o nosso mundo, trousse a alma dele, você nunca se questionou o porque as joias se racharam agora? Depois de tanto tempo? Lucy, as joias não escolheram os seus mestres, elas apenas se quebraram ao toque do primeiro mago que as tomassem após o desertar do poder do Mago de Cristais.
-Despertar do poder? Elion, isso quer dizer que ele fez 16 anos? Elion não faz nem um ano que as trevas destruíram o reino dele.
-Lucy. –Elion falou serio. –Os cristais estão em nosso mundo a séculos. e foi passando de geração a geração. O mesmo poder que fez que eles chegassem no passado, fez com que a alma e essência do Mago também chegasse, sei que pode parecer meio insano, e tudo bem as joias e tal por serem objetos, mas uma energia espiritual? Seria como se alguém estivesse em dois lugares ao mesmo tempo sem o uso de uma projeção astral. –Ele respirou um pouco e olhou para o Corvo a sua frente, o palácio era maior do que eles pensavam, mas o que ele tinha para contar deveria ser rápido, pois não a nada grande o suficiente que não chegue ao seu fim. –Mas isso é possível se o portador dessa energia for alguém extremamente poderoso.
-Os magos que herdaram o titulo de deuses, como Hades e Ártemis. –Por algum  motivo quando Lucy pronunciou o nome da deusa Ártemis, sua voz ficou baixa e triste. – Eles tiveram poder o suficiente para reencarnar em outro reino, mas reencarnar em uma era da qual você ainda estava vivo em um outro lugar seria insano, seria como se essa pessoa fosse uma divin.. –Lucy parou de falar ao perceber o que ela estava prestes a dizer.
-Você agora entende, não é mesmo? O Mago dos Cristais é uma divindade, na verdade ele é o meu Irmão. Lucy, não importa em que reino ou era estamos, não importa onde ou como a vida se der, os deuses são os mesmos em todos eles, mesmo que eles possuam nomes diferentes, mas Deus é Deus onde quer que seja, não sei o porquê, mas sei que o Mago de Cristais era um dois meus irmãos, ou seja ele é um anjo, tão ou mais poderoso do que eu. –Ele respirou um pouco e notou que Raven estava desacelerando. –Não importa como Lucy, mas farei tudo para encontra-lo, Lúcifer, o nosso irmão mais velho está para despertar, preciso do máximo de ajuda possível, ou... –Imagens de um mundo que não existe mais tomaram a mente de Elion, a forma como a Terra 1 foi destruída, a forma como ele matou a todos após seu coração ser corrompido e a forma como ele assassinou seu próprio pai terrestre.
-Elion. –Lucy quebrou seus pensamentos. –Naquela versão do mundo, você não tinhas amigos e além do mais o Destino criou os Membros da família imperial para que eles pudessem dominar um coração divino como o seu e...
-Lucy, você sabe mais que ninguém que o único membro dessa família que conhecemos é o Ed, e fazer o trato com ele está fora de cogitação, nã fou transar com meu próprio irmão, isso nem em meus pesadelos, isso é no mínimo nojento e insano, e ele não faz meu tipo. –Elion brincou no final.
Segurando o riso a garota disse olhando para o que ia mais a frente:
-Eu sei exatamente quem faz o seu tipo Elion.
-Cala essa boca sua vagabunda. –Elion disse vermelho.
Lucy sorriu para o seu amigo que ia ao seu lado e prosseguiu.
–É uma pena que ele não seja um membro e principalmente seja de uma outra era. Elion, vamos sai dessa, eu te prometo, sei que não posso lutar contra Lúcifer, mas se um dia você precisar realmente de mim, Satch não vai se importar se eu ajudar ao meu melhor amigo. –Ela riu um pouco e disse. –Só não fala pra ele que eu disse que você é meu melhor amigo.
Elion riu em resposta parando de correr em seguida.
-Chegamos. –Disse Raven apontando para uma grade de ferro. –É só passamos por isso e estaremos dentro do palácio.
Os olhos de Lucy ficaram brancos e tanto os ferros como as rochas se distorceram e desapareceram como se focem uma miragem, deixando uma enorme abertura a qual eles atravessaram sem dificuldade.
-Como você. –Quando Raven olhou para traz, a parede estavam intacta, como se nada tivesse acontecido a ela. –Seus poderes são surreais.
-Há, falou o garoto que se transforma em corvo. –Lucy falou irônica.
O palácio era gigantesco, todo feito de pedras, possuía ele dezenas de corredores gigantescos, mas não havia tempo para admirar aquilo tudo.
-Ora, ora, ora, creio que alguns vermes saíram do esgoto do palácio. –Disse o príncipe para Elion e Lucy.
Elion e Lucy???
Lucy olhou para o seu lado e não havia nem rastro de Raven.
-O quê...? –Disse ela.
Do outra lado do castelo Raven sentou-se ofegante no chão.
-Quase fui pego, desculpa pessoal, mas o resto é com você, irei atrás de Castiel Iana Castiel sozinho. –Sombras possuíram o corpo dele e do meio das sobras um corvo surgiu dando inicio ao seu vou silencioso pelos corredores.
-Lucy. –Disse Elion. -Eu cuido dele, vá atrás de Castiel.
-Mas nem pensar, Elion, você consegue sentir a presença dela melhor que eu, deixa que eu cuido desse cara.
-Vocês falam de forma como se eu não estivesse aqui a ouvir. –Disse o filho do rei.
Lucy sorriu de lado e disse.
-Tenho certeza que esse idiota não é mais rápido que você. Em outras palavras eu o derroto fácil, fácil, agora vá. –Uma luz tomou conta do corpo de Lucy, um báculo surgiu em suas mãos e suas vestes haviam ficados brancas. –Não posso me transformar por completa e tenho que usar menos de um terço de meu poder, mas sei que isso é bem mais que o suficiente para derrotar esse idiota, agora vá Elion, vá...
Concordando com a cabeça ele apenas se virou e começou a correr.
-Não deixarei que escape verme. –Disse o príncipe.
-Sua luta é comigo. –Disse Lucy o impedindo de prosseguir.
-Boa sorte Lucy. –Disse Elion consigo mesmo correndo pelo palácio.
-Você acha que uma mulhezinha como você pode me derrotar? –Questionou o príncipe.
Lucy apenas trincou os dentes em resposta.
-Você me superestima garota. –O filho do dragão retirou sua capa da armadura e sacou sua espada. –A farei em duas mulher. –Ele avançou com sua espada para cima da de branco e o deteve com seu báculo.
-Quem não deve superestimar quem aqui é você seu fedelho mimado. –Lucy empurrou o príncipe para longe que se equilibrou rapidamente se se recolocou em pé.
-Isso é serio? –Disse ele. –Eu sou Drakulya Drákos, o filho do dragão, e não há uma criatura viva, mais rápida e porosa do que eu sua...
Drakulya parou de falar ao ser atingido pelo báculo da garota que o arremessou longe.
-Uma pessoa normal teria morrido com um golpe desses no “bebedor de lavagem”. –Disse Lucy caminhando até ele. –Se eu fosse você me atacava logo, ou vou acabar de matando Zé Ruela.
Após limpar o sangue que saia de um corte próximo a sua boca Drakulya disse.
-Você é uma vadia morta...
Ele avançou em cima de Lucy disferindo vários golpes com sua espada, porem a garota ricocheteou todos com seu báculo.
Aquela poderia ter sido umas das lutas mais épicas da história, se não fosse por um  motivo. A desvantagem! Mesmo sem usar todo o seu poder, Lucy era no mínimo umas mil vezes mais forte que ele.
-Isso só pode ser piada, como Castiel foi facilmente derrotada por você? E como porra sua família é a responsável por governar. Você luta pior que uma criança de colo... –Ela parou de falar após ser atingida com toda a força que o príncipe tinha.
-Nunca ouse zombar do nome Drákos, ou será seu ultimo erro. –Disse o filho do rei.
-E o que vai acontecer comigo, você vai me punir? –Zombou Lucy. –Sentindo seu coração pulsar, ela caiu de joelhos sobre o chão.
-Não se preocupe, não irei te matar agora sua insolente, matarei sua amiga de cabelos compridos na sua frente, creio que essa alturas meu tio tenha esfolado até a alma dela, depois eu mesmo vou comer a vadia do seu amigo e o matarei em seguida, e depois de ver a morte de todos, ferverei o seu sangue como estou a fazer agora, porem não pararei até ele evaporar do seu corpo por completo.
Lucy ouviu tudo em silencio, provavelmente o príncipe não havia associado a presença demoníaca de mais cedo a Castiel.
Após sorrindo de forma insana, Lucy começou a rir e disse.
-Seu tio esfolou a Castiel? A probabilidade de Castiel ter o matado é bem maior, e serio que você pretende comer o Elion? Essa eu pagaria pra vê, você morreria se tentasse fazer isso, agora é a parte mais irônica. –Lucy ergueu a cabeça para o de armadura.
Drakulya recuou para trás, erguendo as duas mãos agora para a garota.
-Não despedisse sua energia tentado me matar, Drakulya Drákos, filho do Dragão, ferver meu sangue até ele evaporar do meu corpo por completo? Fala isso é sinônimo de coragem. –Lucy se ergueu e disse. –Você pensa que consegue me machucar? Justamente a mim, Lucy Christie, a Barreira Celestial de Lux, braço direito de Satch e melhor amiga do regente do mundo da magia? Isso é no mínimo papo de louco. –Uma barreira surgiu ao redor de seu corpo repelindo o ataque de Drákos. –O fogo deve ser seu elemento não? Sempre quis congelar o fogo.
-Do que você está a falar? Você não teria tamanho poder...
-Não teria? –Lucy riu com deboche. –Isso vaio depender, não me diga que você usou todo o seu poder? E todo aquele papo de honrar o nome da família Drákos? Como eu disse antes, você não passa de um garoto mimado.
Largando a espada, Drakulya olhou para a garota e disse.
-Está bem. Então vamos parar de brincar. –A parte superior da armadura do príncipe caiu de seu corpo e após retirar uma camisa de algodão branca, ele mostrou seu peitoral e abdomes perfeitos, claro, o homem mais belo do reino também tinha o corpo mais belo de todos, capaz de fazer qualquer garota ou “garoto” suspirar por ele.
-Grande merda. –Disse Lucy quebrando o encanto.
-Mais como? –O príncipe havia lançado um encanto de sedução ao retirar sua camisa, mas esse encanto nem fez Lucy mover um mero musculo.
-Então, não sou uma garota normal e aproposito sou comprometida, então espero que tenha mais algum Ás nas manhas, ou você tá ferrado.
Os olhos deles ficaram vermelhos e chamas começaram a cercar o seu corpo. Finalmente o verdadeiro poder do dragão havia acabado de despertar...
Lucy estalou os dedos e um cristal de gelo surgiu ao redor do príncipe o prendendo desta forma.
-Não sei bem como isso funciona, não sei você está me ouvindo, mas se estiver fique sabendo que esse cristal é uma das diversas formas de barreiras de proteção que possuo, e elas são meios inquebráveis, mas fica frio. –Ela riu da piada de mal gosto. –Desculpa, não resistir, coo eu ia dizendo, você não vai morrer ai dentro ou algo do tipo, quando eu sai desse reino minha barreira irar desaparecer, aproposito. –Ela balançou seu cajado e disse. –Agora você também não vai se lembrar de mim e nem da conversa que tivemos. –Começando a flutuar, Lucy fez a espada e armadura que ficaram fora do cristal flutuarem da mesma forma que fez o cristal também flutuar. –Agora tenho que esconder você e essas coisas. –Disse ela. –Não quero nem pensar se os guardas encontrar você congelado.
Do outro lado castelo Elion se encontrava em uma sala imensa.
-Que fedor. –Disse ele tampando o nariz.
Elion estava onde era o lugar mais amplo do palácio, não havia nada lá, a não ser o fado do piso ser feito de ouro junto com boa parte das parede, um lugar perfeito para um ninho de dragão?
O mago olhou para o que parecia ser um ovo repleto de escamas no centro daquele “ninho”.
-Ao menos o meu jantar está garantindo, disso ele saindo de já antes que a mãe do ovo voltasse.
Pegando uma capas das armaduras, Elion fez o que parecia sr uma espécie de mochila e colocou o oco dentro.
-Pronto, assim fica mais fácil de carregar, agora o que eu vir fazer aqui mesmo? A e, Castiel.
-O que tem eu? –Disse a garota surgindo por trás dele.
Castiel vestia um tipo de vestido vermelho.
-Vir te resgatar. –Disse Elion.
-A tá, mas eu já estava preste a sai, estava apenas procurando o filho da puta do príncipe, tenho que chutar o traseiro dele. –Castiel falava como se nada tivesse acontecido.
Apesar da roupa nova feito de pura energia, Ainda era possível ver os machucões no rosto dela e em suas mãos e pulsos.
-Vocês esta realmente bem?
-Isso não vem ao caso Elion, Tenho que matar o filho da puta que me prendeu aqui e arrumar um jeito de voltar para casa.
-Você não tem com o que se preocupar. –Disse Lucy que agora estava vestida com suas roupas de puta como sempre puxava Raven pela orelha.
-Ai, ai, ai. Vai com calma, eu já disse que não tinha fugido, ninguém aqui sabe quem sou e trabalho disfarçadamente para o reino, não poderia ser pego, ou acabaria com todos os meus planos. –Disse o corvo.
-Lucy, solta o garoto. –Elion disse incrédulo.
Assim que foi solto Raven correu para trás de Elion.
-Ela disse que ir arrancar meu brinquedinho, e o pior que eu nem sei o que é isso. –Disse ele morrendo de medo.
-Lucy... –Elion falou incrédulo.
Um rugindo tomou conta do ambiente.
-Isso foi? –falaram Elion, Castiel e Lucy em uni som.
-Um Dragão. –Respondeu Raven. –Eles nos descobriram, vamos, temos que sai daqui rápido... –Raven parou de falar ao ver que estava dentro da loja do velho Auroque. –Quêêê... Como???
-Teletransporte. –Disse Lucy.
-Como? –Perguntou ele de novo.
-Meu poder cria barreiras e abri portais, como eu fiz naquela hora com a parede do palácio.
-E como porra você não fez isso antes? –Raven falou perdendo o controle.
-Como eu ia teletransportar a gente sem saber para onde estávamos indo, foi fácil derrotar o príncipe, mas creio que não seria tal fácil se devido o teletransporte acabássemos caindo no colo do rei Dragão.
-Ela tem razão. –Disse Elion.
-Não defende ela, ela me batel. –Raven disse de forma fofa.
-Kawaii. –Disse Elion se aproximando e o abraçando.
Raven ficou vermelho ao ser tocado por Elion, ao se afastarem Elion vermelho também voltou a falar:
-Senhor Auroque.
-Está aqui. –Disse o velho estendendo a bússola.
-O senhor a concertou? –Perguntou Castiel ainda um pouco confusa.
-Não necessariamente, quem criou esse objeto tem um poder de invenção bem maior que o meu, eu apenas a fiz funcionar, vocês vão conseguir abrir portais, mais o censo de direção da agulha ainda não funciona com precisão, a uma probabilidade de vocês não conseguirem voltar para a casa de vocês na primeira tentativa, e assim que vocês abrirem um portal. Levará um tempo, para a bússola carregar por completo. Como eu disse anteriormente, ela foi criada por uma mente extremamente brilhante, uma mente que supera a do velho Auroque.
-Entendo, mas infelizmente não podemos passar mais tempo aqui. –Disse Lucy. –Tanto pelo fato que não podemos mais intervir na história, ou o ferraremos o nosso futuro, como temos problemas em casa para resolver, qual a probabilidade de acerto da bússola?
-Trinta por cento creio eu, talvez um pouco menos.
Fazendo uma cara depressiva Lucy prosseguiu:
-Hai, mas mesmo assim temos que tentar. Concorda comigo Elion?
Abaixando a cabeça o regente apenas concordou.
-Gostaria de passar mais uma noite aqui para descansar, mas a uma probabilidade que eu acabe fazendo o que não devo.
-Não entendi. –Falou Thamara.
-É melhor você não entender mesmo, vai por mim. –Rebateu Ruan.
-Então está decidido, vamos? –Lucy falou com animo.
-Espere. –Disse o velho Auroque. –Tome minha jovem. –Ele falou estendendo um franco com um liquido de cor roxa dentro. –Esse elixir é capais de curar qualquer dor ou machucado, passe um pouco em suas queimaduras, sei que ele não servirá para a dor emocional, mas já será de grande ajuda para a física, o restante guarde, caso um de seus companheiros e amigos venha a precisar.
Mesmo sem conhecê-lo direito, Castiel o abraçou, ela não sabia o porquê, mas algo dentro dela dizia que poderia se abrir com aquele senhor, e ela queria, mas não havia mais tempo.
Elion abriu o portal e disse:
-Vamos.
Ruan seguido de Thamara que segura Neify e Doby em seus braços saltaram portal a dentro. Castiel sorriu de leve e correu para o portal, antes que Lucy a seguisse olhou para Elion e viu o semblante triste dele.
-Você sabe que não pode leva-lo, mesmo que saiba que ele vai morrer ou ter um destino pior, você não pode interferir, Raven terá um papel importante para a história. –O som da voz da garota saiu semelhante a um sussurro, talvez ainda mais baixo que um.
-Eu sei Lucy. –Rebateu Elion.
-Então vamos?
Ele concordou com a cabeça e começou a seguir a garota que acabará de entrar no portal.
-Hei. –Disse Raven correndo até Elion e o abraçando. –Eu não sei quem você é, ou de onde veio, mas eu nunca vou te esquecer.
Com lacrimas nos olhos Elion retribuiu o abraço e após um tempo, sem falar nada, ele apenas beijou a testa do garoto baixinho e com um sorriso sincero significando adeus, saltou para o portal que se fechou em seguida.
-Você realmente gosta dele, não é garoto? –Perguntou o Javali o envolvendo com um abraço.
-Cai fora, eu não disse que você poderia me abraça. A face do corvo agora estava seria. –Vamos, temos trabalho para fazer.



II
Em um reino distante do de Elvish um portal se abriu e cinco jovens saíram de lá. Uma lagarta enorme que estava a fumar em um narguilé os observava de cima de um enorme cogumelo.
-Que porra é essa? –Disse Castiel.
-E aí meu chapa, deixa eu dá uma chapada nesse seu narguilé. –Disse Lucy para a lagarta.
-Elion, onde estamos? –Perguntou Ruan.
Elion olhou ao seu redor e disse com ar de surpresa:
-Senhoras e senhores, sejam bem-vindos ao País das Maravilhas.


J. Aeff

6 comentários:

  1. J.Aeff pelo amor de deus que historia foi essa mano ta incrível muito boa mesmo como você disse na historia anterior estou realmente surpreso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsr e vai ficar cada vez ainda mais :3

      Excluir
  2. heiiiiiiiiiiiiiii não gostei do príncipe querê comer o Elion isso e coisa do capeta não gostei não viu aff -_- T-T

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ownttttttttttttttttttttttttttttt, ele quis comer, mas na verdade um outro alguém vai rsrsrs <3

      Excluir
    2. e o quee? quero saber quem e esse não gostei -_-

      Excluir
    3. kkkkkk, caro leitor, escrevo porque amo, e infelizmente, muitas vezes não acabo agradando a todos, mas relaxa, você vai gostar ;3

      Excluir